sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Menores não-acompanhados estão desprotegidos na evacuação do campo de Calais

O Fundo da ONU para a Infância (UNICEF) declarou hoje que os menores não-acompanhados no campo de refugiados de Calais (norte de França), estão desprotegidos perante a ordem de despejo da parte sul, dada pela edilidade local.

Campo de refugiados de Calais, no norte de França.

Campo de refugiados de Calais, no norte de França.

© Pascal Rossignol / Reuters

Estes menores estão sozinhos no campo, alguns porque os pais morreram na viagem para Calais, outros porque decidiram viajar por iniciativa própria, em fuga de situações de conflito ou por decisão familiar, disse o representante da UNICEF, François Duchamp.

O alerta do Fundo da ONU surge depois de um tribunal administrativo francês ter decidido suspender a evacuação de parte do campo de refugiados de Calais, conhecido como "selva"

A camara de Calais tinha exigido a saída dos migrantes da parte sul do campo até às 20:00 (19:00 em Lisboa), mas a ordem foi contestada por um grupo de 250 migrantes e dez organizações humanitárias.

Erguido nas imediações do grande porto de Calais, este acampamento improvisado é a "casa" de pelo menos 3.700 migrantes, segundo as autoridades, que indicaram que entre 800 a mil migrantes iam ser afetados pela ordem de evacuação.

Os últimos dados recolhidos por organizações humanitárias que trabalham no local indicaram que pelo menos 3.450 pessoas viviam só na parte sul do acampamento, incluindo 300 crianças não acompanhadas.

Estes migrantes, a maioria proveniente da Síria, Afeganistão ou do Sudão, têm a esperança de conseguirem passar de forma ilegal para o Reino Unido, através do túnel sob o canal da Mancha (Eurotúnel), em comboios ou em camiões de mercadorias.

A situação é especialmente grave para os maiores de 15 anos que, ao contrário, das crianças abaixo deste limite de idade, não ficam a cargo do Estado e estão à mercê da "violência e exploração", se não receberem assistência de associações dos direitos humanos a atuar na zona, afirmou Duchamp.

A UNICEF denunciou assim "importantes disfunções" no dispositivo francês de proteção da infância e a falta de alternativas ao desmantelamento de parte do campo.

Duchamp propôs que seja aplicado o "direito comum" já vigente ou que se estabeleça um "sistema excecional" para apoiar crianças e adolescentes na passagem por Calais, onde os migrantes esperam a possibilidade de atravessar o canal para o Reino Unido.

"O risco de desaparecimentos e dificuldades na identificação deste grupo vulnerável é inevitável num contexto de desmantelamento", concluiu o presidente da UNICEF em França, Jean-Marie Dru.

Lusa

  • Governo recomenda retirada de livros polémicos da Porto Editora

    País

    A Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género, "por orientação do ministro adjunto", recomendou hoje à Porto Editora a retirada do mercado dos blocos de atividades que fazem distinção entre rapazes e raparigas. O organismo considera que podem estar em causa a "diferenciação e desvalorização do papel das raparigas no espaço público e dos rapazes no espaço privado".

    Ricardo Rosa

  • Enfermeiros especialistas em saúde materna retomam protesto 

    País

    Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia voltam quinta-feira de manhã a interromper as funções especializadas, o que pode afetar blocos de parto e maternidades. Queixam-se de "falta de resposta política adequada" e "ausência de acordos sérios".

  • Cristas vaiada em bairro de Chelas
    1:44

    Autárquicas 2017

    Assunção Cristas promete mudanças na Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa. Esta manhã, a candidata do CDS à câmara visitou um bairro de Chelas, onde foi vaiada por alguns populares.

  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • "Em vez de ajudarem, estavam a tirar fotos dela a morrer"
    1:13
  • Criança irrequieta domina noticiário britânico
    1:19