sicnot

Perfil

Crise Migratória na Europa

Grécia recusa tornar-se "Líbano da Europa" com milhões de refugiados

Grécia recusa tornar-se "Líbano da Europa" com milhões de refugiados

A União Europeia volta a tentar encontrar uma solução para a crise de refugiados. Os ministros dos Assuntos Internos da reúnem-se hoje, em Bruxelas, com os homólogos dos Balcãs.A Grécia já avisou que não vai permitir que os outros fechem as fronteiras, ficando sozinha perante a maior migração das últimas décadas.

A Grécia recusou hoje tornar-se o "Líbano da Europa" e ficar no seu território com milhões de migrantes e refugiados, em declarações proferidas em Bruxelas pelo ministro das Migrações grego.

Falando antes de uma reunião de ministros europeus da Justiça e do Interior, Yannis Mouzalas criticou o que chamou de "ações unilaterais" tomadas por outros países da União Europeia que afetam o seu país.

"Um grande número [de países] aqui reunido tentará discutir como lidar com uma crise humanitária na Grécia que eles próprios tencionam criar", afirmou aos jornalistas.

O governante reforçou que "a Grécia não aceitará ações unilaterais" e que também as pode tomar.

"A Grécia não aceitará tornar-se o Líbano da Europa, um armazém de pessoas, mesmo com fundos europeus", declarou.

Quatro milhões de pessoas fugiram da guerra civil na Síria para os países vizinhos, segundo as Nações Unidas, que contabiliza um milhão de refugiados no Líbano.

A Grécia é o principal ponto de entrada de migrantes na União Europeia, a maior parte deles atravessando o Mar Egeu para chegar às ilhas gregas.

Atenas tem sido atacada por alegadamente deixar passar os migrantes para o resto da Europa, mas criticou a resposta dos parceiros europeus à crise.

Yannis Mouzalas criticou particularmente os países dos Balcãs, que na quarta-feira acordaram uma série de medidas de controlo de fronteiras que afetam a Grécia.

Com Lusa

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.

  • 700 milhões para armamento e equipamento militar
    1:16

    País

    Portugal vai investir nos próximos anos 700 milhões de euros em armas e equipamento militar. Segundo a imprensa de hoje, o objetivo é colocar algumas áreas das Forças Armadas a um nível similar ao dos outros aliados da NATO. É o maior volume de programas de aquisição dos últimos anos e parte das verbas vão beneficiar a indústria portuguesa que fabrica aviões, navios-patrulha, rádios e sistemas de comando e controlo.

  • Princesa Diana morreu há 20 anos. Filhos falam pela 1ª vez da intimidade
    1:15