sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Áustria acusa Grécia de agir como uma "agência de viagens" de refugiados

O chanceler da Áustria, Werner Fayman, acusou hoje a Grécia de se comportar "como uma agência de viagens", por encaminhar os requerentes de asilo para outros destinos europeus, em vez de os acolher no país.

Petros Giannakouris

"Eu não compreendo a política dos gregos. É inaceitável que a Grécia atue como uma agência de viagens", que encaminha os refugiados para outros destinos europeus, criticou Werner Faymann ao jornal diário Österreich, acrescentando que a Grécia recebeu no ano passado 11.000 requerentes de asilo e a Áustria 90.000.

O desentendimento entre Viena e Atenas intensificou-se depois de a Áustria ter definido, há cerca de uma semana, quotas para imigrantes que pretendam entrar no seu território, imitando os seus vizinhos nos Balcãs, o que criou um gargalo na Grécia.

A Áustria, que tem 8,5 milhões de habitantes, quando a Grécia tem aproximadamente 11 milhões, afirma que é dos países da União Europeia que mais migrantes (por habitante) acolheram no ano passado, depois da Suécia.

O país aceitou receber cerca de 37.500 refugiados suplementares este ano, um rácio que, se fosse aplicado em toda a União Europeia, permitiria acolher dois milhões de migrantes, segundo Werner Faymann.

Em 2015 alcançaram as costas gregas a partir da Turquia cerca de 851.000 migrantes e refugiados, com 103.000 a serem salvos pela guarda costeira. A maioria era proveniente da Síria (57%), seguindo-se o Afeganistão (24%) e o Iraque (9%).

Atenas argumenta ter despendido mais de 350 milhões de euros apenas em operações de resgate, transporte, acolhimento e realojamento dos refugiados. Dos 446 milhões de euros de financiamento prometidos por Bruxelas -- com um quarto desse valor a ser pago pelos contribuintes gregos -- apenas foram disponibilizados 33 milhões de euros para dar resposta à crise migratória.

Lusa

  • Fugiram 52 reclusos das cadeias portuguesas nos últimos 5 anos

    País

    Nos últimos 5 anos fugiram 52 reclusos das cadeias portuguesas, tendo esta madrugada ocorrido a primeira evasão de 2017, com três detidos em fuga do estabelecimento prisional de Caxias. Dados divulgados hoje pela Direção-geral de Reinserção e Serviços Prisionais após a fuga de três reclusos presos preventivamente em Caxias, Concelho de Oeiras, indicam que no ano passado ocorreram cinco operações de fuga que envolveram seis reclusos e que em 2015 fugiram dois presos das cadeias portuguesas.

  • Táxi capaz de sobrevoar filas de trânsito ainda este ano no Dubai

    Mundo

    É o sonho de muitos que passam horas intermináveis em filas de trânsito. Trata-se de um drone com capacidade para transportar pessoas. "Operações regulares" deste insólito aparelho terão início em julho, no Dubai. O anúncio foi feito pela entidade que gere os transportes da cidade. Apenas um passageiro, com o peso máximo de 100 kg, pode seguir viagem neste táxi revolucionário, capaz de sobrevoar vias congestionadas pelo trânsito.

  • Mouchão da Póvoa em risco de desaparecer
    1:58

    País

    A Câmara Municipal de Vila Franca de Xira alerta para o risco de desaparecimento do Mouchão da Póvoa, uma dos três mouchões do Tejo, no concelho. Em causa está a falta de autorização, pedida à Agência Portuguesa do Ambiente, para uma intervenção de emergência nos diques.

  • Lixo, para que te quero?
    23:17
  • Tuk-tuk em protesto oferecem hoje passeios gratuitos em Lisboa

    País

    A Associação Portuguesa de Empresas de Congressos, Animação Turística e Eventos (APECATE) promove hoje a iniciativa "Cá vai Lisboa", com passeios gratuitos de tuk-tuk, para alertar a população para a "problemática" regulamentação municipal deste tipo de veículos.

  • Ricardo Robles apresentado como candidato do BE a Lisboa
    1:31

    Autárquicas 2017

    Ricardo Robles foi formalmente apresentado este sábado como candidato do Bloco de Esquerda à Câmara Municipal de Lisboa. No encerramento da convenção autárquica do partido, Catarina Martins fez críticas ao Governo, dizendo que o projeto de descentralização do Executivo é perigoso e ameaça a democracia.