sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Centenas de refugiados travados pelo exército macedónio

Centenas de migrantes provenientes do campo de Idomeni, no norte da Grécia, foram hoje travados pelo exército macedónio após terem entrado no país por uma rota alternativa.

Os cerca de 1.000 refugiados conseguiram contornar uma vedação colocada na fronteira entre a Macedónia e a Grécia depois de terem abandonado o acampamento de Idomeni, onde se concentram pelo menos 12.000 pessoas em condições muito precárias.

A Antiga república jugoslava da Macedónia (FYROM, designação oficial) e outros países da região decidiram bloquear o percurso em direção a norte ao longo da designada "rota dos Balcãs", e desde a passada segunda-feira que as autoridades de Skopje proíbem a passagem dos migrantes através de Idomeni.

Em simultâneo, cerca de 20 jornalistas que os acompanharam nesta marcha iniciada a meio do dia foram conduzidos pela polícia macedónia para uma esquadra em Gevgelixa, referiu um repórter da AFP que se encontra entre os detidos.

Após percorrerem uma zona rural e atravessado um rio com a ajuda de uma corda colocada entre as duas margens, os migrantes conseguiram alcançar e atravessar uma zona fronteiriça protegida com vedação de arame farpado erguida do lado macedónio, e dirigiram-se para uma zona perto da cidade de Moin.

O grupo, que incluía muitas crianças, foi entretanto cercado por forças militares, que travaram a sua marcha com o objetivo de fazê-los regressar à Grécia, enquanto os jornalistas e ativistas presentes eram interpelados pelas forças de segurança.

Alguns dos migrantes foram colocados em camiões miliares por solados, mas não foi confirmado qual o seu destino.

Esta foi a primeira vez que se registou um movimento desta amplitude desde o encerramento do posto fronteiriço de Idomeni. Em 29 de fevereiro, cerca de 300 manifestantes que tentavam forçar a passagem foram dispersos com gás lacrimogéneo lançado pelos agentes macedónios.

Atualmente encontram-se cerca de 12.000 migrantes concentrados em Idomeni e em condições definidas como extremamente precárias.

Lusa

  • Francisco George toma posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa

    País

    O ex-diretor-geral da Saúde, Francisco George toma hoje posse como presidente da Cruz Vermelha Portuguesa. Em entrevista à Lusa, manifestou a intenção de criar uma unidade para abastecimento de água potável e redução dos problemas de saneamento em catástrofes como os incêndios deste verão. Além disso, em nome da transparência, vai tornar públicas as contas do organização, incluindo os donativos.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44