sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Quarenta e cinco mil migrantes estão bloqueados na Grécia

Há 45.000 migrantes bloqueados na Grécia devido à lentidão do sistema europeu de recolocação de refugiados e ao encerramento da fronteira pela Macedónia, afirmou esta terça-feira a porta-voz da representação da Comissão Europeia em Atenas, Klimentini Diakomanoli.

© Stoyan Nenov / Reuters

"Há neste momento cerca de 45.000 migrantes bloqueados na Grécia (...), dos quais 12.000 a 15.000 na zona de Idomeni [junto à fronteira] e cerca de 15.000 acampados em volta do porto de Pireu, em Atenas", disse a responsável numa videoconferência com jornalistas portugueses organizada pela representação da Comissão Europeia em Portugal.

"O fluxo continua, temos chegadas todos os dias. Só ontem [segunda-feira] chegaram cerca de 1.500 pessoas", precisou.

Em Idomeni, o posto fronteiriço grego junto à fronteira com a Macedónia, as pessoas "estão a dormir na lama" e recusam repetidamente ser transportadas para os centros de acolhimento montados pelas autoridades.

"Para eles é como voltar para trás", explicou. "Sentem que se se mantiverem ali, mais tarde ou mais cedo a fronteira vai ser reaberta" e vão poder seguir caminho para a Alemanha, destino que todos querem alcançar.

Questionada sobre que tipo de abordagem é possível fazer para apresentar outros destinos como alternativa, a responsável considerou que não existem no terreno condições para "um contacto estruturado".

A situação "é esmagadora", o número de pessoas "enorme" e as condições "tão difíceis" que as autoridades e os milhares de organizações e voluntários no terreno apenas podem "cuidar das necessidades básicas" dos migrantes, disse.

Segundo Diakomanoli, há na Grécia "uma perceção generalizada de que não há solidariedade de alguns dos outros Estados-membros" e de que "o sistema de recolocação não funciona porque não há vontade política" por parte desses Estados-membros.

O mecanismo de recolocação definido pela União Europeia em setembro de 2015 prevê a repartição de 160.000 refugiados chegados à Grécia e a Itália pelos Estados membros, mas até à semana passada, segundo dados da Comissão, apenas 937 pessoas tinham sido transferidas para outro país, 149 das quais para Portugal.

Tove Ernst, porta-voz da Comissão Europeia para as migrações, assuntos internos e cidadania, recusou apontar casos concretos, sublinhando que "todos os Estados membros tem de melhorar" a sua resposta ao mecanismo.

Entre os problemas que dificultam a transferência, Tove, que falava também por videoconferência, citou o "tempo excessivo na resposta aos pedidos de recolocação" por parte de alguns países, a definição de "requisitos excessivos" por outros e a não disponibilização de vagas suficientes.

Lusa

  • Chuva deixa em alerta 12 distritos do continente

    País

    Doze distritos do continente estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de chuva, que pode ser pontualmente forte e acompanhada por trovoadas e granizo, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.