sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Merkel conta com cumprimento do acordo UE-Turquia

A chanceler alemã, Angela Merkel, conta com o cumprimento do acordo entre a Turquia a União Europeia para travar o fluxo de refugiados, independentemente da demissão do primeiro-ministro turco, Ahmet Davutoglu, afirmou hoje um dos seus porta-vozes.

© Umit Bektas / Reuters

"A chanceler tem trabalhado muito bem até agora com o primeiro-ministro Davutoglu e com todos os representantes turcos e partimos do princípio de que esta cooperação positiva e construtiva vai continuar com o novo primeiro-ministro turco", disse à imprensa Georg Streiter, porta-voz do governo alemão.

"A UE e a Alemanha vão continuar a cumprir todas as suas obrigações previstas no acordo e esperamos o mesmo da Turquia", acrescentou.

Ahmet Davutoglu anunciou na quinta-feira a sua saída da chefia do governo, uma decisão que consolida o poder do Presidente, Recep Tayyip Erdogan.

O acordo UE-Turquia, de que Merkel é considerada a principal promotora, prevê o reenvio para a Turquia de todos os migrantes que cheguem clandestinamente à Grécia. Em troca, a UE recebe um refugiado sírio por cada migrante expulso para território turco.

O governo turco exige contudo que os seus cidadãos passem a estar isentos de visto para circular no espaço europeu de livre circulação Schengen, ameaçando não cumprir o acordo migratório se essa exigência não for satisfeita.

Lusa

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.