sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de mil pessoas resgatadas no Canal da Sicília

A Guarda Costeira de Itália informou que hoje foram resgatadas 1.153 imigrantes que viajavam a bordo de várias embarcações no Canal da Sicília, no sul do país, em 11 operações diferentes.

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Umit Bektas / Reuters

A Guarda Costeira informou que o navio "Borsini", da marinha militar italiana, que integra a operação Mare Sicuro, resgatou 223 imigrantes que estavam em duas embarcações pneumáticas.

O navio "Dignity 1" da organização Médicos Sem Fronteiras resgatou 427 pessoas que seguiam em outros três pneumáticos e o irlandês "Le Roisin", que participa no dispositivo EunavforMed (acrónimo em Inglês para Força Naval da União Europeia no Mediterrâneo), salvou 125 pessoas que viajavam também em outra embarcação pneumática.

As outras pessoas resgatadas foram salvas pelo navio alemão "Frankfurt", da EunavforMed, e do "Aquarius", da organização não-governamental SOS Mediterrâneo.

Lusa

  • Polémica "Supernanny" em debate hoje na SIC
    2:25
  • Centeno aponta para a reforma e expansão do euro
    0:32

    Economia

    O ministro das Finanças português participa hoje na primeira reunião enquanto presidente do Eurogrupo. À entrada para o encontro dos ministros das Finanças da moeda única, Mário Centeno apontou a reforma do Euro como um dos principais desafios do mandato que agora inicia. 

  • Puigdemont chegou à Dinamarca e não foi detido

    Mundo

    O Ministério Público espanhol pediu ao tribunal supremo para voltar a emitir um mandado europeu de detenção contra o ex-presidente da Catalunha, Carles Puigdemont, que se deslocou à Dinamarca para participar numa conferência. O Supremo rejeitou no entanto o pedido. Entretanto na Catalunha, o presidente do parlamento propôs Puigdemont para voltar a dirigir o Governo Regional.

  • O caso Assange é "um problema" para o Equador

    Mundo

    O Presidente equatoriano, Lenin Moreno, declarou no domingo que o asilo atribuído ao fundador do WikiLeaks, Julian Assange, pela embaixada do Equador em Londres desde 2012 é "um problema herdado" que constitui "mais que um aborrecimento".