sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Guterres adverte que "tragédia" dos refugiados vai durar

O antigo primeiro-ministro António Guterres afirmou hoje que o fenómeno dos refugiados é "uma tragédia" e que há razões para "pessimismo", alegando que os conflitos de origem permanecem, as fronteiras fecham-se e o número de deslocados aumenta.

O candidato a secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, participa na conversa promovida pelo Partido Socialista sobre o tema "Crise dos Refugiados que Respostas?", na sede do PS , em Lisboa.

O candidato a secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, participa na conversa promovida pelo Partido Socialista sobre o tema "Crise dos Refugiados que Respostas?", na sede do PS , em Lisboa.

M\303\201RIO CRUZ

António Guterres, ex-alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e atual candidato a secretário-geral das Nações Unidas, falava numa conferência promovida pelo PS sobre os refugiados.

Uma conferência em que Guterres teve ao seu lado a secretária-geral adjunta dos socialistas, Ana Catarina Mendes, e que contou também com a participação do ex-eurodeputado Rui Tavares.

Perante cerca de duas centenas de pessoas, o primeiro-ministro de Portugal entre 1995 e 2002 traçou um quadro dramático sobre a situação dos refugiados à escala mundial, advertindo que nos últimos anos se tem assistido "a uma aceleração enorme e dramática" sobre a existência de cada mais pessoas que fogem de conflitos.

Guterres apresentou depois números que "dão uma ideia da tragédia a que estamos a assistir", referindo que em 2010 o número de refugiados por dia era de 11 mil, em 2011 de 14 mil por dia, em 2012 de 23 mil por dia, em 2013 de 32 mil e em 2014 era já de 42500 por dia.

"Assiste-se a uma multiplicação de novos conflitos, ao mesmo tempo que os velhos conflitos, como os da Somália e do Afeganistão ou da República Democrática do Congo, parecem não querer desaparecer. No início da década, o ACNUR ajudava cerca de um milhão de refugiados por ano a regressar às suas casas, mas a verdade é que esses números em 2014 baixaram para menos de 250 mil pessoas", disse.

Ora, concluiu Guterres, "isto é uma tragédia para a qual não vemos sinceramente razões para otimismo nos anos mais próximos".

"A Síria e depois o Iraque foram os grandes motores da aceleração e, apesar das iniciativas para a paz, a verdade é que estamos ainda muito longe desse caminho. Por outro lado, há situações no mundo em que não se vê qualquer progresso a curto prazo", sustentou.

Ou seja, de acordo com o antigo primeiro-ministro socialista, importa estar "preparados para que o número de refugiados não diminua nos próximos anos e para que esta tragédia não tenha uma solução na origem do problema, independentemente de todos os esforços que devem ser dirigidos para a prevenção e resolução dos conflitos".

Mais grave, ainda - frisou Guterres -, é que as fronteiras antes estavam globalmente abertas para os refugiados ainda no início da década, o que acontece cada vez menos agora, sobretudo entre os países da Europa.

"As fronteiras começaram a fechar-se, sobretudo em países desenvolvidos, o que está a ter um efeito de arrastamento a montante. É cada vez mais difícil aos sírios deixarem o seu país para encontrarem proteção no exterior", frisou o candidato a secretário-geral das Nações Unidas.

A seguir, Rui Tavares, historiador e responsável máximo do Livre, fez um rasgado elogio a António Guterres, manifestando-lhe um inequívoco apoio na sua corrida ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas.

"Esperamos que as capacidades do engenheiro António Guterres possam ser postas em breve ao serviço da comunidade internacional", declarou Rui Tavares, que criticou a atuação da União Europeia em matéria de acolhimento de refugiados.

Também presente na sessão, o ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, disse que a questão dos refugiados, "felizmente, tem grande consenso em Portugal" no que respeita às formas de acolhimento, em contraponto "com o fracasso da estratégia europeia" neste domínio.

Eduardo Cabrita, além de António Guterres, destacou também o papel desempenhado pelo ex-Presidente da República Jorge Sampaio no acolhimento de refugiados.

A conferência abriu com depoimentos (alguns deles dramáticos) de jovens refugiados provenientes Eritreia, Síria e Iraque.

Lusa

  • António Guterres pede mais apoio aos refugiados
    2:25

    Crise Migratória na Europa

    António Guterres defende a introdução de um programa de reinstalação maciça, de modo a resolver o drama dos refugiados na Europa. O antigo Alto-comissário das Nações Unidas participou hoje no Encontro da Esquerda Europeia, no Porto, onde revelou ser neste momento um federalista europeu frustrado. O ex-governante critica a discriminação sobre os muçulmanos e o acordo entre a UE e a Turquia.

  • Guterres diz que o mundo não pode menosprezar o Daesh

    Daesh

    O ex-primeiro-ministro português António Guterres defendeu hoje que o mundo não deve menosprezar o que o grupo extremista Estado Islâmico (EI) representa, defendendo que deve ser combatido militarmente, mas também "no plano dos valores e das políticas sociais".

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.