sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Guterres adverte que "tragédia" dos refugiados vai durar

O antigo primeiro-ministro António Guterres afirmou hoje que o fenómeno dos refugiados é "uma tragédia" e que há razões para "pessimismo", alegando que os conflitos de origem permanecem, as fronteiras fecham-se e o número de deslocados aumenta.

O candidato a secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, participa na conversa promovida pelo Partido Socialista sobre o tema "Crise dos Refugiados que Respostas?", na sede do PS , em Lisboa.

O candidato a secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, participa na conversa promovida pelo Partido Socialista sobre o tema "Crise dos Refugiados que Respostas?", na sede do PS , em Lisboa.

M\303\201RIO CRUZ

António Guterres, ex-alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e atual candidato a secretário-geral das Nações Unidas, falava numa conferência promovida pelo PS sobre os refugiados.

Uma conferência em que Guterres teve ao seu lado a secretária-geral adjunta dos socialistas, Ana Catarina Mendes, e que contou também com a participação do ex-eurodeputado Rui Tavares.

Perante cerca de duas centenas de pessoas, o primeiro-ministro de Portugal entre 1995 e 2002 traçou um quadro dramático sobre a situação dos refugiados à escala mundial, advertindo que nos últimos anos se tem assistido "a uma aceleração enorme e dramática" sobre a existência de cada mais pessoas que fogem de conflitos.

Guterres apresentou depois números que "dão uma ideia da tragédia a que estamos a assistir", referindo que em 2010 o número de refugiados por dia era de 11 mil, em 2011 de 14 mil por dia, em 2012 de 23 mil por dia, em 2013 de 32 mil e em 2014 era já de 42500 por dia.

"Assiste-se a uma multiplicação de novos conflitos, ao mesmo tempo que os velhos conflitos, como os da Somália e do Afeganistão ou da República Democrática do Congo, parecem não querer desaparecer. No início da década, o ACNUR ajudava cerca de um milhão de refugiados por ano a regressar às suas casas, mas a verdade é que esses números em 2014 baixaram para menos de 250 mil pessoas", disse.

Ora, concluiu Guterres, "isto é uma tragédia para a qual não vemos sinceramente razões para otimismo nos anos mais próximos".

"A Síria e depois o Iraque foram os grandes motores da aceleração e, apesar das iniciativas para a paz, a verdade é que estamos ainda muito longe desse caminho. Por outro lado, há situações no mundo em que não se vê qualquer progresso a curto prazo", sustentou.

Ou seja, de acordo com o antigo primeiro-ministro socialista, importa estar "preparados para que o número de refugiados não diminua nos próximos anos e para que esta tragédia não tenha uma solução na origem do problema, independentemente de todos os esforços que devem ser dirigidos para a prevenção e resolução dos conflitos".

Mais grave, ainda - frisou Guterres -, é que as fronteiras antes estavam globalmente abertas para os refugiados ainda no início da década, o que acontece cada vez menos agora, sobretudo entre os países da Europa.

"As fronteiras começaram a fechar-se, sobretudo em países desenvolvidos, o que está a ter um efeito de arrastamento a montante. É cada vez mais difícil aos sírios deixarem o seu país para encontrarem proteção no exterior", frisou o candidato a secretário-geral das Nações Unidas.

A seguir, Rui Tavares, historiador e responsável máximo do Livre, fez um rasgado elogio a António Guterres, manifestando-lhe um inequívoco apoio na sua corrida ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas.

"Esperamos que as capacidades do engenheiro António Guterres possam ser postas em breve ao serviço da comunidade internacional", declarou Rui Tavares, que criticou a atuação da União Europeia em matéria de acolhimento de refugiados.

Também presente na sessão, o ministro Adjunto, Eduardo Cabrita, disse que a questão dos refugiados, "felizmente, tem grande consenso em Portugal" no que respeita às formas de acolhimento, em contraponto "com o fracasso da estratégia europeia" neste domínio.

Eduardo Cabrita, além de António Guterres, destacou também o papel desempenhado pelo ex-Presidente da República Jorge Sampaio no acolhimento de refugiados.

A conferência abriu com depoimentos (alguns deles dramáticos) de jovens refugiados provenientes Eritreia, Síria e Iraque.

Lusa

  • António Guterres pede mais apoio aos refugiados
    2:25

    Crise Migratória na Europa

    António Guterres defende a introdução de um programa de reinstalação maciça, de modo a resolver o drama dos refugiados na Europa. O antigo Alto-comissário das Nações Unidas participou hoje no Encontro da Esquerda Europeia, no Porto, onde revelou ser neste momento um federalista europeu frustrado. O ex-governante critica a discriminação sobre os muçulmanos e o acordo entre a UE e a Turquia.

  • Guterres diz que o mundo não pode menosprezar o Daesh

    Daesh

    O ex-primeiro-ministro português António Guterres defendeu hoje que o mundo não deve menosprezar o que o grupo extremista Estado Islâmico (EI) representa, defendendo que deve ser combatido militarmente, mas também "no plano dos valores e das políticas sociais".

  • Escritor e filólogo Frederico Lourenço distinguido com o Prémio Pessoa 2016

    Cultura

    O escritor, tradutor, professor universitário Frederico Lourenço foi distinguido com o Prémio Pessoa 2016. O anúncio foi feito hoje pelo presidente do júri, Francisco Pinto Balsemão, no Palácio de Seteais, em Sintra, sublinhando que a atividade de Frederico Lourenço tem como "traço singular" ter oferecido "à língua portuguesa as grandes obras de literatura clássica".

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01
  • Explosão no Cairo faz seis mortos

    Mundo

    Seis pessoas morreram hoje numa explosão junto a um posto de controlo da polícia no Cairo, indicaram os meios de comunicação social e responsáveis egípcios.