sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Mais de 1.900 pessoas foram hoje resgatadas no Mediterrâneo

Mais de 1.900 pessoas foram hoje resgatadas pela Guarda Costeira de Itália no mar Mediterrâneo quando navegavam à deriva junto da costa italiana.

(Reuters/ Arquivo)

A Guarda Costeira informou que estas pessoas, que tentavam alcançar as costas europeias, foram resgatadas em 16 operações de salvamento.

Ainda em curso, está outra operação de salvamento conduzida pela Marinha italiana que resgatou até ao momento 130 pessoas.

Esta última operação está a enfrentar algumas complicações, como explicaram elementos da guarda costeira italiana à agência noticiosa espanhola EFE, porque a embarcação já estava a afundar-se quando a Marinha conseguiu intervir.

"Ainda não se pode descartar a possibilidade de existirem vítimas mortais", referiram as mesmas fontes.

Num comunicado, a Guarda Costeira italiana informou que as operações foram realizadas no Canal da Sicília, que separa a ilha italiana da Sicília e a costa de Tunes (Tunísia, norte de África), e foram coordenadas pelo Centro Nacional de Socorro da Guarda Costeira de Roma, unidade coordenada pelo Ministério dos Transportes italiano.

Estas operações de salvamento acontecem depois de navios europeus, sob a coordenação da Guarda Costeira italiana, terem socorrido na última semana mais de 10 mil pessoas.

Nos últimos dias ocorreram nesta zona dois naufrágios: no primeiro incidente morreram cinco pessoas e no segundo "pelo menos 15 pessoas", segundo constatou no local a fragata espanhola "Rainha Sofia" que participou na operação de resgate dos sobreviventes.

Devido à sua posição geográfica, Itália recebe habitualmente um número significativo de migrantes e de refugiados procedentes de África, que encaram o país como uma porta para a Europa.

As boas condições meteorológicas, incluindo condições do mar favoráveis, registadas nos últimos dias têm levado a milhares de pessoas a procurar a rota do Mediterrâneo para tentar chegar ao continente europeu.

Lusa

  • "Às vezes o senhor primeiro-ministro irrita-me um bocadinho"
    2:05

    País

    O Presidente da República disse esta quinta-feira de manhã que António Costa é "irritantemente otimista" por teimar em "ver violeta-rosa onde há roxo". Marcelo Rebelo de Sousa recordou ainda Mário Soares numa aula no Colégio Moderno, em Lisboa.

  • Pyongyang cria vídeo a simular ataque a navios dos EUA
    2:00

    Mundo

    Os Estados Unidos da América pretendem reforçar as sanções à Coreia do Norte e investir nos esforços diplomáticos. Contudo, a tensão militar persiste. Pyongyang emitiu um vídeo em que simula um ataque a navios norte-americanos.

  • Cientistas testam útero artificial em cordeiros prematuros

    Mundo

    Um grupo de cientistas desenvolveu um útero artificial - o Biobag - que se assemelha a uma bolsa de plástico e que ajuda no desenvolvimento de cordeiros prematuros. O método foi testado nestes animais mas os cientistas do Hospital Pediátrico de Filadélfia, nos Estados Unidos, garantem que poderá vir a ser utilizado também em bebés que nascem prematuros.

  • Exame ao sangue descobre cancro um ano antes do reaparecimento

    Mundo

    Uma equipa de investigadores britânicos descobriu uma maneira de identificar o regresso do cancro, com um ano de antecedência. Através de um exame ao sangue, a equipa conseguiu identificar os primeiros sinais da doença, uma série de células invisíveis ao raio-X e à TAC. A descoberta pode vir a permitir tratar o cancro mais cedo e, como resultado, poderá aumentar as chances de o curar.

  • Casados há 69 anos, morrem de mãos dadas com 40 minutos de diferença

    Mundo

    Isaac Vatkin, de 91 anos, morreu cerca de 40 minutos depois de Teresa, de 89 anos, no passado sábado no Highland Park Hospital, no estado norte-americano Ilinóis. "Não queríamos que fossem embora, mas não podíamos pedir que partíssem de melhor maneira", afirmou o neto William Vatkin. O casal morreu no hospital poucos dias depois de celebrarem 69 anos de casados.

  • Trump cria linha de apoio a vítimas de "extraterrestres criminosos"

    Mundo

    Quando o Governo norte-americano usa o termo "extraterrestre criminoso", refere-se a alguém que não é cidadão dos Estados Unidos da América e que foi condenado por um crime. Quando a mesma expressão é usada pelos utilizadores do Twitter, o significado é completamente diferente. Os internautas pensam na série Ficheiros Secretos e em discos voadores. Por isso, o lançamento de uma linha telefónica, por parte da Casa Branca, para as vítimas de "extraterrestres criminosos" só podia dar em confusão.