sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Ban Ki-moon diz que detenção de migrantes "deve terminar imediatamente"

O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, considerou hoje que "deve terminar imediatamente a detenção" na Grécia de migrantes que chegaram ao país desde a entrada em vigor, em 20 de março, do acordo UE-Turquia.

© Heinz-Peter Bader / Reuters

De visita a Lesbos, principal porta de entrada dos migrantes na Grécia, Ban apelou à Europa que "responda de uma forma humana, e inspirada dos direitos humanos" à crise migratória, acrescentando que "a detenção não é a solução de deve terminar imediatamente".

O secretário-geral da ONU exprimia-se após ter visitado dois campos da ilha que acolhem cerca de 3.400 pessoas, a maioria detidas antes de um provável reenvio para a Turquia, nos termos do acordo UE-Turquia.

Este acordo, destinado a terminar com as travessias de migrantes das costas turcas em direção às ilhas gregas, permite o reenvio de migrantes para território turco, incluindo os sírios que requerem asilo, e que chegaram à Grécia após 20 de março.

Em contrapartida, a UE aceitou doar seis mil milhões de euros em Ancara e comprometeu-se, por cada sírio reenviado, a "reinstalar" um outro proveniente da Turquia num Estado-membro, num limite de 72.000 lugares.

Ban reconheceu "as dificuldades" face à crise migratória mas exortou o mundo a "revelar os desafios" da migração, considerando que existem "os meios, a capacidade e o dever".

"A comunidade internacional deve fazer mais para resolver os conflitos e solucionar os problemas que provocam tanto sofrimento", disse.

No total, e segundo números oficiais, 8.471 migrantes permaneciam hoje nas cinco ilhas gregas frente à Turquia no mar Egeu, na sua maioria acolhidos após a entrada do controverso acordo.

Na Grécia continental, distribuídos por campos com o mínimo de condições, permanecem mais de 48.000 migrantes e refugiados que chegaram antes de 20 de março, mas bloqueados devido ao encerramento no início de março das fronteiras dos países situados a norte da Grécia.

O acordo UE-Turquia tem por objetivo provocar uma diminuição considerável das chegadas às costas gregas, mas também tem suscitado numerosas críticas por ativistas dos direitos humanos.

Na sexta-feira, a ONG Médicos sem Fronteiras anunciou renunciar aos financiamentos da UE e respetivos Estados-membros numa denúncia da sua "vergonhosa" política migratória, considerando ainda que a Europa "se focaliza mais sobre a dissuasão que sobre a ajuda e sobre a proteção destinadas às pessoas que dela necessitam".

Ban Ki-moon efetua hoje uma visita à Grécia para tomar contacto direto com a situação das dezenas de milhares de migrantes bloqueados no país.

No início da deslocação, e durante um encontro em Atenas, o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras ofereceu ao líder da ONU um colete salva-vidas, recolhido como milhares de outros nas costas do país.

"É um instrumento de sobrevivência para os milhares de refugiados que chegaram às ilhas gregas atravessando o mar Egeu", declarou Tsipras na ocasião.

Lusa

  • Passos nega que resultado das autárquicas ponham em causa liderança do PSD
    7:46
  • PS e PSD trocam acusações sobre Tancos
    1:18
  • Homens vítimas de violência doméstica
    31:17
  • Marcelo mergulha na baía de Luanda
    0:45
  • Marcelo garante que relações com Angola "estão vivas"
    1:50

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou esta segunda-feira as boas relações entre Portugal e Angola. À chegada a Luanda para a posse do novo Presidente angolano João Lourenço, o chefe de Estado português aproveitou para tomar um banho de mar.

  • Défice chegou aos 2.034 milhões em agosto
    1:51

    Economia

    O défice do Estado caiu 1.900 milhões de euros até agosto, em comparação com o ano passado. A recuperação da economia ajudou a baixar o défice, com mais receitas e impostos acima do esperado. Já a despesa pública ficou praticamente inalterada e os pagamentos do Estado em atraso subiram.

  • Morreu a egípcia que chegou a pesar 500 quilos

    Mundo

    A egípcia Eman Ahmed Abd El Aty, de 37 anos, que chegou a pesar 500 quilos, morreu num hospital de Abu Dabi, nos Emirados Árabes Unidos, devido a complicações cardíacas na sequência do seu excesso de peso.