sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Frontex prevê a chegada de 300 mil refugiados este ano à UE a partir da Líbia

A agência europeia de controlo das fronteiras externas, Frontex, estima que cheguem este ano à União Europeia (UE) cerca de 300 mil refugiados através do Mediterrâneo e da Líbia.

© Ismail Zetouni / Reuters

"Calculamos que estejam a chegar à volta de 10 mil por semana", afirmou o diretor do departamento de operações, Klaus Rösler, em declarações ao diário popular "Bild", em relação ao crescente número de chegadas em barcos registado esta primavera.

Segundo Rösler, a intensa campanha de vigilância por parte das patrulhas da UE faz com que sejam cada vez mais os que se arriscam a essa perigosa travessia, com a esperança de que sejam resgatados.

O centro da Frontex, na Polónia, reportou na passada quinta-feira que o número de imigrantes ilegais que chegaram a Itália em maio foi o dobro dos de abril.

Tal deve-se sobretudo ao aumento de saídas do Egito e da Líbia, enquanto as chegadas às ilhas gregas caíram cerca de 60%.

A agência especificou que o elevado número de deteções no Mediterrâneo central durante o mês passado não se deve a mudanças nas rotas utilizadas pelos imigrantes retidos na Turquia, mas ao aumento do tráfego da África Ocidental e do Corno de África, com embarque na Líbia e no Egito.

Em apenas uma semana, de 20 a 27 de maio, mais de 13 mil pessoas foram resgatadas no Mediterrâneo central, o número mais alto registado naquela região em uma semana.

Entretanto, o número mensal de imigrantes vindos da Turquia com destino às ilhas gregas continua a decrescer, cifrando-se em cerca de 1.500 chegadas em maio, o que representa uma diminuição de 60% relativamente ao mês anterior.

Lusa

  • Passos Coelho pede desculpa aos portugueses
    3:35
  • População afetada pelo fogo tenta repor o que as chamas destruíram
    1:54
  • "Juntos por Todos" hoje no palco em Lisboa
  • Glifosato na lista de produtos cancerígenos na Califórnia

    Mundo

    O estado norte-americano da Califórnia, nos Estados unidos, pode vir a obrigar o fabricante do popular herbicida Roundup a comercializar o produto com um rótulo que informe os consumidores de que o produto é cancerígeno. O glifosato, princípio ativo do herbicida Roundup fabricado pela Monsanto, consta de uma lista que vai ser divulgada na Califórnia, a 7 de julho, de produtos químicos potencialmente cancerígenos.

  • Pyongyang compara Trump a Hitler

    Mundo

    A Coreia do Norte compara o Presidente norte-americano Donald Trump a Adolf Hitler. Pyongyang já acostumou o mundo à sua linguagem "colorida" quando critica os seus inimigos. Mas comparações com o responsável por mais de 60 milhões de mortes são muito raras.

  • Autarca garante que não houve "touros de fogo"

    País

    O presidente da Câmara de Benavente disse esta segunda-feira à Lusa que a atividade "touros de fogo" foi retirada do programa da Festa da Amizade depois de recebido um parecer desfavorável da Direção-Geral de Veterinária.