sicnot

Perfil

Refugiados na Europa

Refugiados na Europa

Crise Migratória na Europa

Porto de Calais em França parado devido a incidente com migrantes

O tráfego do porto de Calais, no norte de França, foi totalmente interrompido durante hora e meia esta noite depois de migrantes terem sido avistados a nadar na zona, noticiou a France Presse.

© Pascal Rossignol / Reuters

Por volta das 02:00 de hoje (01:00 em Lisboa), migrantes foram avistados a nadar no porto de Calais, numa tentativa para embarcar nos ferries que partiam para Douvres, em Inglaterra, disse um dos elementos das equipas que participou nas buscas.

O porto foi fechado enquanto decorriam as buscas e os ferries com destino a Inglaterra permaneceram encerrados.

Um migrante voltou ao cais pelos seus próprios meios, enquanto outro foi resgatado por um bote salva-vidas, informaram as autoridades, adiantando que os dois foram transportados para o hospital.

Cerca de 4.000 migrantes, nomeadamente afegãos e sudaneses, vivem no campo de Calais, conhecido como "A selva", segundo uma contagem do estado francês realizada no final de abril.

Algumas associações elevam para cerca de 5.000 o número de pessoas a viver no vasto campo de refugiados no norte de França, que se tornou no maior bairro de lata do país.

Douvres está situada a 34 quilómetros da costa nordeste da França, do outro lado do Canal da Mancha.

Lusa

  • Obrigada a vir dos EUA, de 3 em 3 semanas, para ver o filho
    2:00

    País

    O episódio de hoje de Vidas Suspensas envolve uma médica dentista norte-americana e um empresário português. Um exemplo do que acontece a muitos portugueses que casam com estrangeiros: quando se divorciam, coloca-se a questão de saber para que país vão os filhos.

    Hoje na SIC

  • "Não era o jogo ideal para estreia do videoárbitro"
    4:50
  • Uma em cada dez crianças já foi vítima de cyberbullying
    10:41
  • "Sou Presidente de uma pátria com os melhores bombeiros do mundo"
    1:20

    País

    O Presidente da Liga dos Bombeiros, Jaime Marta Soares, avisou este domingo o Governo de que os bombeiros admitem usar o machado da paz para fazer a guerra. Marcelo Rebelo de Sousa destacou o orgulho que sente em ser "Presidente de uma pátria que tem os melhores bombeiros do mundo".