Crise no Sporting

Interrogatório aos oito arguidos suspeitos das agressões em Alcochete já está concluído

CARLOS SANTOS

O juiz de instrução criminal do Tribunal do Barreiro deu hoje por concluído o interrogatório a oito detidos suspeitos de envolvimento nos incidentes de 15 de maio na Academia do Sporting, em Alcochete, e apenas um arguido prestou declarações.

Os trabalhos do tribunal foram suspensos para almoço e deverão ser retomados às 14:00, com as alegações finais. A advogada de um dos detidos admitiu a possibilidade de o juiz Carlos Delca anunciar ainda hoje as medidas de coação a aplicar aos oito arguidos, que se juntam aos 27 anteriormente detidos que ficaram em prisão preventiva.

Além dos oito que estão no Tribunal do Barreiro, há um nono elemento detido, ao qual já foi decretada a medida de coação de prisão de preventiva, por impossibilidade de comparecer em interrogatório judicial no prazo legal previsto de 48 horas, por motivo de saúde.

Na operação conjunta realizada na segunda-feira pela Guarda Nacional Republicana (GNR) e Polícia de Segurança Pública (PSP), foram ainda identificados e constituídos arguidos mais três pessoas, às quais foi aplicada a medida de coação menos grave, de termo de identidade e residência.

Antes do interrogatório, Carlos Delca disse aos jornalistas que há mais dois ou três suspeitos de envolvimento nos incidentes que ocorreram em Alcochete e que culminaram com agressões a jogadores e treinadores da equipa de futebol do Sporting, mas que não estão em Portugal e ainda não foram constituídos arguidos.

A operação decorreu de uma investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa às agressões a jogadores e técnicos da equipa de futebol do Sporting, levadas a cabo por cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, em 15 de maio.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.Mais tarde, em 5 de junho, foram detidas pelas autoridades mais quatro pessoas, entre elas o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva. Ao todo, com as detenções efetuadas na segunda-feira, estão detidas 36 pessoas relacionadas com este caso.

Os arguidos que já foram indiciados respondem por vários crimes, nomeadamente, sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Lusa

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16
  • Manuel Pinho quer que inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores
    2:53

    País

    Manuel Pinho quer que o inquérito do caso EDP seja atribuído a outros procuradores. Numa carta enviada ao diretor do Departamento Central de Investigação e Ação Penal, a defesa do ex-ministro da Economia acusa os magistrados de imparcialidade, realçando como os procuradores do inquérito inviabilizaram as datas alternativas apresentadas pelo advogado.

  • Ministro da Saúde critica "alarmismo" da presidente do Infarmed
    1:52

    País

    O ministro da Saúde garante que não existe nenhum pacto secreto entre o Governo e Rui Moreira sobre a transferência do Infarmed para o Porto. Ouvido esta manhã no Parlamento, Adalberto Campos Fernandes acusou a presidente do Infarmed de alarmismo quando diz que o processo de deslocalização pode constituir uma ameaça para a saúde pública.

  • Santana diz que a concorrência é livre
    0:52

    País

    Santana Lopes sublinha que quer causar o menor dano possível ao PSD com a criação de um novo partido. O antigo primeiro-ministro diz no entanto que, apesar disso, a concorrência é livre. Isto depois de um estudo feito pela Eurosondagem mostrar que 4,8% dos inquiridos votaria num novo partido de Santana Lopes. O político diz que o número é inspirador, mas não adianta certezas sobre os próximos passos.