sicnot

Perfil

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Descarrilamento na Galiza

Comboio seguia a 118km/h quando o limite era 30

JOS\303\211 COELHO

O excesso de velocidade pode ter estado na origem do acidente com um comboio na Galiza, na passada sexta-feira. O maquinista recebeu diversos avisos para abrandar.

De acordo com o Tribunal Superior de Justiça da Galiza, o comboio acidentado "circulava a 118 quilómetros/hora no momento do descarrilamento". A velocidade permitida nas linhas principais é de 120 quilómetros/hora, mas a zona da estação de comboios de O Porriño, na Galiza, estava em obras de manutenção na sexta-feira, o que obrigou o desvio para uma linha secundária.

Fonte oficial da espanhola Renfe disse hoje à Lusa que a velocidade limite para circulação em vias secundárias é de 30 quilómetros, e que esta é uma regra geral aplicável a todas as vias secundárias.

Por outro lado, o tribunal informou que o maquinista (português, um dos quatro falecidos no acidente), "recebeu e acusou a receção (pressionando um botão) de avisos L1, que indicam a necessidade de moderar a velocidade".

Um técnico da comissão de investigação de acidentes ferroviários, Edmundo Parras, tinha indicado esta terça-feira, que "tudo aponta para excesso de velocidade" como causa do acidente ferroviário de sexta-feira em O Porriño, Galiza, que matou quatro pessoas e deixou feridas dezenas.

Parras falava à entrada do tribunal de O Porriño (Pontevedra, Galiza, Noroeste de Espanha), onde na manhã desta terça-feira foram abertas as caixas negras do comboio.

As caixas negras do comboio, que fazia o trajeto Vigo-Porto, operado conjuntamente pela CP e pela espanhola Renfe, foram abertas na presença de representantes da CP, da Renfe e das gestoras das redes ferroviárias de ambos os países, a portuguesa Infraestruturas de Portugal e a espanhola Adif.

O equipamento recuperado do sinistro regista as velocidades do comboio, as distâncias e os sinais que recebeu.

No entanto, não grava sons nem conversações na cabina do maquinista, apenas as comunicações com o posto de comando de Ourense, segundo explicou na segunda-feira o presidente do comité de empresa da Renfe em Pontevedra, Luis Mariano de Isusi.

De acordo com o jornal galego La Voz de Galicia, as caixas mostram que o sistema eletrónico que controla os sinais e as agulhas (desvio de linhas) na zona da estação de O Porriño funcionou corretamente, uma vez que os sinais estavam no amarelo (precaução).

O maquinista português, acrescenta o diário, acusou a receção de uma dúzia de sinais no troço onde aconteceu o acidente, todas menos a última, presumivelmente quando o comboio já teria descarrilado.

Entre os sinais incluem-se dois avisos L1, que implicam a necessidade de abrandar a velocidade. "Caso não tivesse acusado a receção dos sinais acústicos o comboio teria parado [automaticamente]", uma vez que tem equipamento para isso, explicou o jornal.

O comboio descarrilou às 09:25 de sexta-feira (08:25 em Lisboa), com mais de 60 passageiros e tripulação a bordo. O maquinista, português, e dois outros elementos da tripulação, ambos espanhóis, morreram no acidente, bem como um turista norte-americano.

Cerca de meia centena de passageiros ficaram feridos no acidente, no qual um dos vagões ficou completamente tombado e outros dois semi-tombados.

A CP e a Renfe operaram conjuntamente a linha Vigo-Porto desde 2011. Responsáveis de ambas as empresas asseguraram que o comboio tinha sido alvo de revisões recentes.

Com Lusa

  • Partido Podemos com votação inédita em Espanha
    1:32

    Mundo

    Há uma votação inédita em Espanha. O Podemos começou esta terça-feira a decidir a continuidade do líder do partido, depois de Pablo Iglesias e a companheira terem comprado uma casa de 600 mil euros.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.

  • A maior obra de reconversão urbana em Portugal 20 anos depois
    3:47