sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Estado Islâmico executa 35 pessoas no Iraque

O grupo extremista Estado Islâmico executou 35 pessoas na província iraquiana de Al Anbar, entre polícias e familiares dos agentes, como mulheres e crianças, disse fonte policial.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Stringer . / Reuters

De acordo com a fonte da polícia local citada pela agência espanhola EFE, 18 das vítimas eram polícias e as restantes 17 pessoas eram familiares dos agentes.

Os polícias, que foram baleados até à morte, terão sido acusados pelo grupo Estado Islâmico de pertencer às forças governamentais, enquanto os seus familiares terão sido assassinados por ajudar e apoiar as forças do governo.

Depois desta execução na zona de Albu Farach, centenas de famílias abandonaram a zona com medo dos radicais do Estado Islâmico.

Vários líderes tribais da província iraquiana de Al Anbar avisaram para a possibilidade de o grupo autodenominado Estado Islâmico prosseguir com "matanças" caso o governo não envie reforços e armas para a região para deter os terroristas, que controlam já partes importantes desta zona do Iraque.

Na sexta-feira, o grupo Estado Islâmico lançou um ataque contra a zona de Albu Farach, separada de Ramadi pelo rio Eufrates, conseguindo tomar o controlo de amplas zonas, depois de intensos combates com as forças de segurança.


Lusa
  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.