sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Estado Islâmico executa 35 pessoas no Iraque

O grupo extremista Estado Islâmico executou 35 pessoas na província iraquiana de Al Anbar, entre polícias e familiares dos agentes, como mulheres e crianças, disse fonte policial.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Stringer . / Reuters

De acordo com a fonte da polícia local citada pela agência espanhola EFE, 18 das vítimas eram polícias e as restantes 17 pessoas eram familiares dos agentes.

Os polícias, que foram baleados até à morte, terão sido acusados pelo grupo Estado Islâmico de pertencer às forças governamentais, enquanto os seus familiares terão sido assassinados por ajudar e apoiar as forças do governo.

Depois desta execução na zona de Albu Farach, centenas de famílias abandonaram a zona com medo dos radicais do Estado Islâmico.

Vários líderes tribais da província iraquiana de Al Anbar avisaram para a possibilidade de o grupo autodenominado Estado Islâmico prosseguir com "matanças" caso o governo não envie reforços e armas para a região para deter os terroristas, que controlam já partes importantes desta zona do Iraque.

Na sexta-feira, o grupo Estado Islâmico lançou um ataque contra a zona de Albu Farach, separada de Ramadi pelo rio Eufrates, conseguindo tomar o controlo de amplas zonas, depois de intensos combates com as forças de segurança.


Lusa
  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão