sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Estado Islâmico assassinou 200 apoiantes na Síria que queriam desertar

O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) assassinou nos últimos três meses mais de 200 apoiantes originários de países da Ásia central que pretendiam desertar das suas fileiras na Síria, denunciou hoje o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

(Arquivo)

(Arquivo)

© Rodi Said / Reuters

A organização não-governamental síria, que cita um desertor, adiantou que, sobretudo no caso de cidadãos chechenos e turquemenos, a razão da deserção passa pela crença de que a luta do EI é "errada", preferindo unir-se à Frente Al Nusra, filial síria da Al Qaida, para combater a Rússia.

Segundo a fonte, citada pela agência EFE, esta visão agudizou-se com o envolvimento russo no apoio ao regime de Damasco, liderado por Bashar Al-Assad, com os bombardeamentos começados em fins de setembro último.

Os mais de 200 desertores do EI, disse a fonte, foram "assassinados" por outros membros do grupo terrorista após terem fugido da cidade e na periferia de Al Raqa, principal bastião dos jihadistas, tendo os cadáveres sido enterrados numa vala na zona de Al Huta, também nos arredores.

A fonte dissidente disse ao observatório sírio que, em agosto, pelo menos 21 milicianos oriundos do Cáucaso morreram abatidos a tiro pelos próprios companheiros do EI quando preparavam a fuga dos arredores da base militar de Kueires, próximo de Alepo.

O aeroporto militar, ocupado por tropas do regime sírio, está há meses cercado pelos jihadistas, que têm sido alvo de uma ofensiva aérea russa para expulsar os guerrilheiros do EI.

Por outro lado, o observatório sírio indicou ter conhecimentos de que 317 pessoas morreram às mãos dos radicais jihadistas só no último mês - 31 civis, três rebeldes de fações inimigas do EI e 59 milicianos das tropas governamentais que, na sua maioria, foram decapitados.

Desde a proclamação unilateral do Califado, em junho de 2014, o número de pessoas assassinadas pelos jihadistas ascende a cerca de 3.520, dos quais 1.910 são civis.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.