sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Grupo Estado Islâmico reivindica ter abatido avião russo

O braço egípcio do grupo jihadista Estado Islâmico reivindicou, através do Twitter, ter abatido o avião russo que hoje se despenhou com 224 pessoas a bordo na península de Sinai, no Egito. A Rússia diz que não pode ser considerada exacta a reivindicação.

© Stringer Germany / Reuters

"Os soldados do califado conseguiram abater um avião russo na província do Sinai que transportava mais de 220 pessoas que foram mortas", diz o grupo extremista numa publicação numa das suas habituais contas no Twitter. Indica que agiu em represália à intervenção russa na Síria.

O aparelho tinha partido da estância egípcia de Sharm-el-sheik com destino a S. Petersburgo.
Despenhou-se na península de Sinai com 224o pessoas a bordo, incluindo 17 crianças.

Não há sobreviventes, avançaram entretanto a embaixada russa no Cairo e as autoridades egípcias, que já enviaram para o local dos destroço as equipas de emergência.

Rússia diz que reivindicação não pode ser considerada exacta

O ministro dos Transportes russo fez saber que essa informação não pode ser considerada exacta. Vladimir Putin já falou entretanto ao telefone com o homólogo egípcio.

Em comunicado, o Kremlin diz que será feita uma investigação aprofundada ao caso e que já foram enviados investigadores russos para o Egito. As autoridades russas suspeitam de "violação das regras de voo e respetiva preparação do aparelho".

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.