sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Bashar al-Assad diz que Síria não é incubadora do Daesh

O Presidente sírio Bashar al-Assad declarou, na quarta-feira, que o seu país, devastado pela guerra, não é a "incubadora" do Daesh, culpando o Ocidente pela criação de organizações 'jihadistas'.

© Khalil Ashawi / Reuters

"Posso afirmar que o Daesh não tem uma incubadora natural, uma incubadora social, na Síria", disse, numa entrevista televisiva à emissora italiana Rai, usando o acrónimo árabe para se referir ao grupo extremista Estado Islâmico.

Os 'jihadistas' que treinaram na Síria para os ataques de Paris de sexta-feira passada, e outros, fizeram-no devido "ao apoio" da Turquia, Arábia Saudita e do Qatar "e, claro, das políticas ocidentais que apoiaram os terroristas de diferentes modos", insistiu.

O Daesh "não começou na Síria, começou no Iraque, e começou antes disso no Afeganistão", disse, citando o antigo primeiro-ministro britânico Tony Blair, que afirmou que "a guerra do Iraque ajudou a criar o Daesh".

A confissão de Blair "é a prova mais importante", afirmou.

Mais de 250 mil pessoas morreram no conflito na Síria e milhões fugiram, à medida que o Daesh tomou controlo de vastas áreas do território sírio e iraquiano, que são geridas sob uma severa interpretação da Lei Islâmica.

Assad defendeu que não pode haver qualquer calendário de transição para as eleições enquanto partes do país estiverem ainda controladas por rebeldes.

"Este calendário começa depois de começarmos a vencer o terrorismo. Não se pode conseguir nada em termos políticos enquanto houver terroristas a apoderarem-se de muitas áreas na Síria", disse.

Depois disso, "um ano e meio, dois anos, são suficientes para qualquer transição", considerou.

Lusa

  • Trabalharia horas extra sem ser pago? E feriados?  
    1:25
  • UE dá "luz verde" para início das negociações do Brexit

    Brexit

    Os 27 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta segunda-feira a autorização para o início das negociações do Brexit, indicando formalmente o final de junho para início do processo de saída do Reino Unido, que se prolongará por dois anos.

  • Regras secretas do Facebook permitem divulgação de imagens violentas

    Mundo

    A política interna da empresa Facebook defende que nem todos os vídeos violentos publicados na rede social devem ser apagados porque "não quer censurar ou punir pessoas em perigo". A revelação é feita pelo jornal britânico The Guardian após uma investigação em que conseguiu ter acesso ao manual interno.