sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Berlim enviará aviões reconhecimento para combater jihadistas na Síria

A Alemanha prevê enviar aviões de reconhecimento Tornado para apoiar o combate ao grupo extremista Estado Islâmico na Síria, disse hoje o porta-voz para a Defesa do grupo parlamentar dos conservadores alemães.

Aviões de reconhecimento Tornado da Alemanha.

Aviões de reconhecimento Tornado da Alemanha.

© Christian Charisius / Reuters

A chanceler alemã, Angela Merkel, prometeu na quarta-feira em Paris contribuir para o combate ao Estado Islâmico. Hoje reuniu os ministros do governo da área da Segurança e Defesa e, à tarde, reúne-se com os principais grupos parlamentares.

"A Alemanha vai ter um papel mais ativo", afirmou Henning Otte, porta-voz para a Defesa do grupo parlamentar da CDU/CSU (União Democrata-Cristã e União Social-Cristã da Baviera) num comunicado.

Até agora, o apoio da Alemanha à coligação internacional que combate os 'jihadistas' traduziu-se no fornecimento de armas e no treino das forças curdas iraquianas que combatem o Estado Islâmico.

"Não só vamos reforçar a missão de treino no norte do Iraque, como vamos aumentar a nossa contribuição para a luta contra o terrorismo do Estado Islâmico com, entre outros, Tornados RECCE de reconhecimento", precisou Otte.

Os grupos parlamentares da CDU/CSU e do Partido Social-Democrata (SPD), que integra a coligação governamental, vão reunir-se às 17:00 (16:00 em Lisboa) para discutir o apoio a França no combate ao grupo extremista.

A Alemanha do pós-guerra tem sido tradicionalmente relutante no envio de tropas para o estrangeiro, tendo apenas participado em missões da ONU nos Balcãs e na coligação da NATO no Afeganistão.

"O Estado Islâmico apenas pode ser derrotado militarmente, pelo que não se pode pôr nada de parte quando nos empenhamos na luta contra o terrorismo islamita", disse Otte, acrescentando que todos os pedidos da coligação que combate os 'jihadistas' e por França "têm de ser avaliadas com a mente aberta".

Lusa

  • Equipa da SIC impedida de entrar na Venezuela

    País

    A SIC tinha uma equipa a caminho da Venezuela para cobrir as eleições da Assembleia Constituinte que decorrem no domingo. No entanto o jornalista Luís Garriapa e o repórter de imagem Odacir Junior foram impedidos de entrar no país. A equipa de reportagem foi barrada à chegada ao aeroporto de Caracas. Num despacho enviado à companhia aérea que os transportou, tanto o jornalista como o repórter de imagem são considerados "inadmissíveis no território da Venezuela".

  • "Fomos considerados inadmissíveis no território da Venezuela"
    4:43

    País

    O jornalista Luís Garriapa entrou em direto no Jornal da Noite, para explicar o que aconteceu esta quinta-feira, no aeroporto de Caracas. A equipa de reportagem de SIC foi impedida de entrar na Venezuela, onde ia cobrir as eleições da Assembleia Constituinte, marcadas para domingo.

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25
  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.