sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Daesh arrecada 75 M€ por mês mas está em dificuldades

O grupo terrorista Daesh (autodenominado Estado Islâmico) arrecada 75 milhões de euros por mês, nos territórios que controla na Síria e no Iraque, mas regista dificuldades financeiras, segundo um estudo hoje publicado. De acordo com os analistas,"os esforços feitos para atingir as fontes de rendimento do Daesh estão a começar a compensar".

Refinaria de petróleo de Baiji, norte de Bagdade, reconquistada ao Daesh a 16 de outubro de 2016.

Refinaria de petróleo de Baiji, norte de Bagdade, reconquistada ao Daesh a 16 de outubro de 2016.

© Thaier Al-Sudani / Reuters

De acordo com o IHS, um instituto de análise e monitorização de conflitos com sede em Londres, metade destes rendimentos são obtidos em taxas e confiscações e 43 por cento com o petróleo e gás, atividades debilitadas pelos bombardeamentos da coligação internacional e da Rússia.

O Daesh tem dificuldade em equilibrar o orçamento e recentemente terá sido obrigado a baixar os salários dos combatentes e a aumentar o preço de serviços como eletricidade, sublinha o IHS.

O instituto afirma que o grupo extremista sunita procura financiamento alternativo e passou a taxar sistematicamente a população, que procura abandonar o território sob o seu domínio.

O IHS identifica seis fontes de rendimentos do Daesh: "produção e tráfico de petróleo e gás, taxas sobre atividades comerciais nos territórios que controla, confiscação de terras e propriedades, tráfico de drogas e antiguidades, atividades criminosas como assaltos a bancos ou raptos com pedido de resgates, e empresas públicas".

De acordo com o IHS, o Daesh não depende de contribuições de particulares ricos, nomeadamente do Golfo, como acontece com a rede terrorista Al-Qaeda.

"O Daesh controla um aparelho estatal (na Síria e no Iraque) e aplica taxas à população, confisca propriedades, cria riqueza com empresas públicas, bem como com o petróleo e gás. Os outros grupos terroristas não têm isto", explicou à agência noticiosa francesa AFP Columb Strack, analista do IHS.

"Ao mesmo tempo, porque gere um Estado, a maior parte deste dinheiro vai para a gestão deste território. Não é como se conseguissem fazer 75 milhões para gastar em armas e bombas", sublinhou.

Ludovico Carlino, um outro analista do IHS, disse que o grupo extremista "cobra uma taxa de 20% sobre todos os serviços", como a eletricidade, as redes telemóveis ou indústria.

A coligação internacional e a Rússia atacam o Daesh na carteira quando bombardeiam campos petrolíferos e gasíferos, principalmente no leste sírio.

E para Strack "os esforços feitos para atingir as fontes de rendimento do Daesh estão a começar a compensar", nomeadamente, ao conseguirem reduzir a capacidade de transformar estas matérias primas. Além disso, os acessos à Turquia são reduzidos, o que obriga o Daesh a voltar-se para os mercados sírio e iraquiano para vender petróleo.

Strack afirmou que o apogeu do poderio do EI se verificou no verão do ano passado, após a conquista de Mossul, no Iraque. "A partir daí, perderam terreno e começaram a perder dinheiro", indicou.

Lusa

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.