sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Síria diz que Daesh executou 280 civis e raptou 400 em cidade do leste

O grupo extremista Daesh (autoproclamado Estado Islâmico) matou no sábado 280 civis apoiantes do Governo sírio em Deir al Zor, uma cidade do leste do país, revelou a agência oficial da Síria (SANA), citando fontes oficiais. O Observatório Sírio dos Direitos Humanos, uma organização não-governamental, diz que da mesma cidade foram raptados cerca de 400 civis.

Raqqa, junho de 2014.

Raqqa, junho de 2014.

© Stringer . / Reuters

Segundo a agência SANA, os "terroristas executaram 280 pessoas, incluindo várias dezenas de crianças e mulheres", na zona de Al Bagaliye, em Deir al Zor, naquilo a que as fontes citadas pela SNA classificam como uma "atrocidade repugnante".

Já a organização não-governamental Observatório Sírio dos Direitos Humanos revelou que os jihadistas do Daesh mataram na mesma zona pelo menos 135 pessoas, incluindo 50 elementos das forças armadas e milícias pró-governo e 85 civis, familiares de combatentes leais ao regime do Presidente Bachar al Asad.

Segundo a SANA, a maioria dos civis executados pelo Daesh eram familiares de soldados destacados em Deir al Zur, controlada quase totalmente pelos jihadistas.

  • Portugal vai fechar fronteiras durante a visita do Papa

    País

    O Conselho de Ministros aprovou hoje a reposição temporária do controlo de fronteiras durante a visita do papa Francisco em maio a Fátima. A reposição do controlo de fronteiras decorrerá entre 00:00 de 10 de maio e as 00:00 de 14 de maio.

  • "Civis devem ser prioridade absoluta no Iraque", diz Guterres

    Mundo

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, chegou hoje ao Iraque para abordar a situação da ajuda humanitária, e pediu que a proteção dos civis seja a "prioridade absoluta" à medida que as forças iraquianas batalham para retomar Mossul.

  • Fomos conhecer o novo Samsung S8
    1:42
  • E depois do Brexit?
    3:42
  • Britânicos a viver no Algarve falam em desilusão
    2:32

    Brexit

    Para muitos dos britânicos que vivem no Algarve, o Brexit é a confirmação de que o resultado surpreendente do referendo não tem retorno. Certificados de residência e até a dupla nacionalidade são questões que a partir de agora passam a estar em cima da mesa.