sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Grupo extremista Estado Islâmico perdeu 22% de território desde início de 2015

O grupo extremista Estado Islâmico perdeu, entre 01 de janeiro de 2015 e 14 de março de 2016, 22% do território que controlava na Síria e no Iraque, anunciou hoje o instituto especializado IHS Jane's, com sede em Londres.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"A guerra está a virar-se contra o Estado Islâmico (EI). Entre 01 de janeiro e 15 de dezembro de 2015, perdeu o controlo de 14% do seu território", indicou Columb Strack, um dos analistas do IHS e especialista em Médio Oriente.

"Um novo estudo indica que, nos últimos três meses, o Estado Islâmico perdeu mais 8% do seu território", ainda em comparação ao que controlava a 01 de janeiro de 2015, acrescentou.

Segundo o ramo britânico do instituto norte-americano IHS, que se baseia em informações retiradas das redes sociais e de fontes no terreno na Síria e no Iraque, o grupo controlava, assim, 73.440 quilómetros quadrados a 14 de março deste ano.

No Iraque, os 'jihadistas' perderam amplos setores em torno de Ramadi, a oeste de Bagdad, e sobretudo à volta de Tikrit, a norte da capital.

Mas as principais perdas ocorreram na Síria.

"Em 2016, vimos as perdas importantes sofridas no nordeste estender-se até Raqa e Deir Ezzor. O Governo sírio fez igualmente progressos no oeste e encontra-se agora a apenas cinco quilómetros da cidade antiga de Palmyra, que foi invadida pelos 'jihadistas' em meados de 2015", precisou Columb Strack.

Desde a perda, no verão passado, de Tal Abyad, que era um dos principais pontos de passagem da fronteira turca utilizados pelos 'jihadistas', o IHS observou que o EI "se debatia com dificuldades financeiras", que se traduziram nomeadamente em "diversos aumentos de impostos" e "grandes reduções nos salários pagos aoa combatentes".

"Essas dificuldades financeiras foram agravadas pelos ataques aéreos da Rússia e da coligação liderada pelos Estados Unidos às fontes de receitas petrolíferas do grupo desde finais de 2015", prosseguiu Strack.

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou na segunda-feira a retirada da Síria da maior parte do contingente militar russo que ali levava a cabo uma campanha de ataques aéreos de apoio às tropas do Presidente sírio, Bashar al-Assad, desde 30 de setembro.

Contudo, o exército russo precisou na terça-feira que vai continuar os seus ataques aéreos contra "alvos terroristas" na Síria.

Lusa

  • Sismo registado esta manhã na região de Lisboa

    País

    Um sismo foi sentido esta manhã na região da Grande Lisboa. O abalo foi registado às 7h44, com epicentro em Sobral de Monte Agraço e magnitude de 4.3, informa o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

    Em atualização

  • "É terrorismo, politiquice e interesse económico"
    0:45

    País

    A situação em Mação, no distrito de Santarém, continua muito complicada para os operacionais e para as populações que tentam combater as chamas. Os populares dizem que é de "lastimar" a aflição que se vive.

  • GNR resgata 45 sírios no mar Egeu
    2:28

    Crise Migratória na Europa

    A Guarda Nacional Republicana já resgatou quase 300 migrantes no mar Egeu, ao largo da Grécia, desde o início de maio. Esta quarta-feira de madrugada, os militares salvaram 45 sírios que tentavam chegar à Grécia numa embarcação de borracha.

  • Marine devolve bandeira do Japão 73 anos depois 
    2:13

    Mundo

    Setenta e três anos depois da batalha mais sangrenta do Pacífico, um veterano dos Estados Unidos cumpriu uma promessa pessoal. Marvin Strombo devolveu à família a bandeira da sorte de um soldado japonês, morto em 1944, em Saipan, na II Guerra Mundial. 

  • Autoridades usam elefantes para resgatar pessoas das cheias na Ásia
    1:31

    Mundo

    Mais de 215 pessoas morreram nas inundações que estão a devastar o centro da Ásia, e estima-se que três milhões tiveram de abandonar as casas. As autoridades estão a usar elefantes para resgatar locais e turistas das zonas mais afetadas e avisam que há dezenas de pessoas desaparecidas.