sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Grupo extremista Estado Islâmico perdeu 22% de território desde início de 2015

O grupo extremista Estado Islâmico perdeu, entre 01 de janeiro de 2015 e 14 de março de 2016, 22% do território que controlava na Síria e no Iraque, anunciou hoje o instituto especializado IHS Jane's, com sede em Londres.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stringer . / Reuters

"A guerra está a virar-se contra o Estado Islâmico (EI). Entre 01 de janeiro e 15 de dezembro de 2015, perdeu o controlo de 14% do seu território", indicou Columb Strack, um dos analistas do IHS e especialista em Médio Oriente.

"Um novo estudo indica que, nos últimos três meses, o Estado Islâmico perdeu mais 8% do seu território", ainda em comparação ao que controlava a 01 de janeiro de 2015, acrescentou.

Segundo o ramo britânico do instituto norte-americano IHS, que se baseia em informações retiradas das redes sociais e de fontes no terreno na Síria e no Iraque, o grupo controlava, assim, 73.440 quilómetros quadrados a 14 de março deste ano.

No Iraque, os 'jihadistas' perderam amplos setores em torno de Ramadi, a oeste de Bagdad, e sobretudo à volta de Tikrit, a norte da capital.

Mas as principais perdas ocorreram na Síria.

"Em 2016, vimos as perdas importantes sofridas no nordeste estender-se até Raqa e Deir Ezzor. O Governo sírio fez igualmente progressos no oeste e encontra-se agora a apenas cinco quilómetros da cidade antiga de Palmyra, que foi invadida pelos 'jihadistas' em meados de 2015", precisou Columb Strack.

Desde a perda, no verão passado, de Tal Abyad, que era um dos principais pontos de passagem da fronteira turca utilizados pelos 'jihadistas', o IHS observou que o EI "se debatia com dificuldades financeiras", que se traduziram nomeadamente em "diversos aumentos de impostos" e "grandes reduções nos salários pagos aoa combatentes".

"Essas dificuldades financeiras foram agravadas pelos ataques aéreos da Rússia e da coligação liderada pelos Estados Unidos às fontes de receitas petrolíferas do grupo desde finais de 2015", prosseguiu Strack.

O Presidente russo, Vladimir Putin, anunciou na segunda-feira a retirada da Síria da maior parte do contingente militar russo que ali levava a cabo uma campanha de ataques aéreos de apoio às tropas do Presidente sírio, Bashar al-Assad, desde 30 de setembro.

Contudo, o exército russo precisou na terça-feira que vai continuar os seus ataques aéreos contra "alvos terroristas" na Síria.

Lusa

  • Um retrato devastador do "pior dia do ano"
    2:47
  • Um olhar sobre a tragédia através das redes sociais
    3:22
  • "Estão a gozar com os portugueses, esta abordagem tem de mudar"
    6:45

    Opinião

    José Gomes Ferreira acusa as autoridades e o poder político de continuarem a abordar o problema da origem dos fogos de uma forma que considera errada. Em entrevista, no Primeiro Jornal, o diretor adjunto da SIC, considera que a causa dos fogos "é alguém querer que a floresta arda". José Gomes Ferreira sublinha que não se aprendeu com os erros e que "estão a gozar com os portugueses".

    José Gomes Ferreira

  • "Os portugueses dispensam um chefe de Governo que lhes diz que isto vai acontecer outra vez"
    6:32

    Opinião

    Perante o cenário provocado pelos incêndios, os portugueses querem um chefe de Governo que lhes diga como é que uma tragédia não volta a repetir-se e não, como disse António Costa, que não tem uma fórmula mágica para resolver o problemas dos fogos florestais. A afirmação é de Bernardo Ferrão, da SIC, que questiona ainda a autoridade da ministra da Administração Interna para ir a um centro de operações, uma vez que é contestada por toda a gente.

  • Portugal precisa de "resultados em contra-relógio, após décadas de desordenamento florestal"
    1:18
  • Jornalista que denunciou corrupção do Governo de Malta morre em explosão

    Mundo

    A jornalista Daphne Caruana Galizia, que acusou o Governo de Malta de corrupção, morreu esta segunda-feira, numa explosão de carro. O ataque acontece duas semanas depois de a jornalista maltesa recorrer à polícia, para dizer que estava a receber ameaças de morte. A morte acontece quatro meses após a vitória do Partido Trabalhista de Joseph Muscat, nas eleições antecipadas pelo primeiro-ministro, após as alegações da jornalista, que o ligavam a si e à sua mulher ao escândalo dos Panama Papers. O casal negou as acusações de que teriam usado uma offshore para esconder pagamentos do Governo do Azerbaijão.