sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

ONU avisa que o "Daesh está a propagar-se como um cancro"

O grupo extremista Estado Islâmico (EI) "está a propagar-se como um cancro" por todo o mundo, alertou hoje o secretário-geral da ONU, enquanto o mediador da organização para a Síria comparava os 'jihadistas' ao vírus Ébola.

(Arquivo)

(Arquivo)

STR

"O ISIL (acrónimo inglês para designar o grupo 'jihadista' Estado Islâmico) e todos os outros extremistas estão atualmente a propagar-se como um cancro por todo o mundo", declarou Ban Ki-Moon à imprensa, por ocasião de uma conferência internacional, em Genebra, sobre a prevenção do extremismo violento.

Por isso, frisou, "devemos pôr a prevenção em primeiro plano nos nossos esforços. Existem provas que mostram que um reforço da segurança e uma resposta militar não são, por si só, suficientes para derrubar este flagelo".

Falando na conferência de Genebra, o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, explicou que enquanto a comunidade internacional deixar que um conflito se prolongue, o EI ou o "terrorismo internacional" vão aí infiltrar "o seu ADN".

"Eles são oportunistas, são como o Ébola. Estão à procura de um corpo frágil e penetram nele", afirmou, sublinhando todavia que é possível detê-los graças a diversos "medicamentos", como desenvolver a cooperação internacional, ajudar as populações, elaborar uma solução política, dar uma resposta militar e de segurança e impedir os terroristas de ter acesso ao seu financiamento.

Na conferência, que reuniu desde quinta-feira mais de 600 pessoas, entre as quais cerca de 30 ministros e vice-ministros, Ban Ki-moon apelou aos Estados para que apliquem políticas nacionais assentes nas cerca de 70 recomendações do plano de ação contra o extremismo violento apresentado pela ONU em janeiro.

Tais recomendações, que são muitas vezes bastante vagas ou foram já aplicadas em diversos países, vão de ações para combater a radicalização dos jovens a "programas de readaptação" dos estrangeiros recrutados por grupos 'jihadistas', passando por "uma polícia de proximidade".

Os líderes religiosos são instados a pregar a tolerância e as empresas fornecedoras de internet -- utensílio predileto da propaganda extremista -- são simplesmente "convidadas a apoiar as iniciativas de prevenção".

O secretário-geral da ONU indicou que vai criar "um grupo de ação de alto nível mobilizando todo o sistema das Nações Unidas" para concretizar "os esforços" exigidos pelo plano de ação e exortou os Estados a "uma maior cooperação internacional".

Lusa