sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Dinamarca envia 400 soldados para a Síria e Iraque

O parlamento da Dinamarca aprovou hoje o envio de 400 soldados e vários aviões de combate para lutar contra o Daesh na Síria e no Iraque.

© Khalid Al Mousily / Reuters

A proposta, que foi aprovada com 90 votos a favor e 19 contra, contou com o apoio do Governo liberal (em minoria) e os seus aliados de direita e dos principais grupos da oposição, os sociais-democratas e os sociais liberais. Os votos contra foram vieram dos partidos de esquerda.

O contingente militar, que vai ser enviado no verão e durante um período de seis meses, inclui quatro aviões F-16, mais outros três de reserva e um avião de transporte, pilotos, forças especiais e pessoal de apoio.

O Governo vai gastar cerca de 40 milhões de euros com o envio do contingente militar.

A Dinamarca, que faz parte da coligação internacional liderada pelos Estados Unidos, aprovou em outubro de 2014 o envio de 140 soldados e sete caças para lutar contra o Daesh, mas só no Iraque e com a autorização das autoridades de Bagdad.

O Governo de Copenhaga justificou a ampliação da missão para a Síria com a "ameaça global" que representa o grupo extremista, citando uma resolução da ONU.

Com Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.