sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Ataque surpresa do Daesh na Síria deixa milhares de pessoas encurraladas

Um ataque surpresa do Daesh deixou encurraladas milhares de pessoas assustadas na fronteira síria com a Turquia, indicaram hoje os Médicos Sem Fronteiras (MSF), alertando que a situação é "insustentável".

(arquivo)

(arquivo)

O coordenador regional da organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF), Pablo Marco, disse que estão a aumentar as preocupações de um elevado número de civis que se encontram a menos de cinco quilómetros dos jihadistas do Daesh, que avançam na sua direção.

"Estamos a falar de cerca de 100.000 pessoas que estão sem saída, a poucos quilómetros do Daesh. Estão aterradas, não têm para onde ir", disse Marco numa entrevista por telefone à agência de notícias francesa AFP.

O Daesh avançou na sexta-feira sobre os últimos bastiões rebeldes de Marea e Azaz, na província de Alepo, obrigando milhares a fugir em direção à fronteira norte.

Mas a Turquia manteve a fronteira fechada, deixando os civis encurralados entre a violenta linha da frente do Daesh a leste, a fronteira encerrada a norte, e o cantão autónomo curdo de Afrin a oeste.

"Estas pessoas estão agora confinadas a uma pequena área de quatro por sete quilómetros", precisou Marco.

"A situação desta população é absolutamente insustentável e inaceitável", observou.

As Nações Unidas indicaram que os combates encurralaram até 165.000 civis entre Azaz e a fronteira turca encerrada.

O responsável da MSF disse que muitos dos que estavam a fugir à ofensiva do Daesh nos últimos dias já tinham sido deslocados duas ou três vezes de outros pontos da província.

"Podemos imaginar quão difícil está a ser para eles", comentou.

Mais de metade da população da Síria viu-se obrigada a abandonar a casa desde que o conflito eclodiu, em 2011, tendo quase cinco milhões procurado refúgio nos países vizinhos.

Segundo uma estimativa, cerca de 6.000 pessoas terão escapado aos combates em Marea fugindo em direção à fronteira ou para ocidente, para a região curda de Afrin.

Mas com recursos limitados, as autoridades curdas não poderão acolher um número tão elevado de deslocados, referiu Marco.

Perante o agravamento da situação, o coordenador regional da MSF apelou às autoridades turcas para proporcionarem um refúgio seguro àqueles que fogem ao rápido avanço dos jihadistas do Daesh.

"Sabemos que as autoridades turcas estão muito preocupadas com a situação. Fizeram grandes esforços, como sabem, mas a situação é tão má que justifica a abertura da fronteira", declarou.

Mas apelou também à União Europeia "para fazer a sua parte" para, por um lado, apoiar a Turquia e, por outro, acolher mais refugiados sírios que fogem à violência no país natal.

"Todos os atores envolvidos precisam de encontrar uma solução. Isto é mesmo uma vergonha", concluiu.

Lusa

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.