sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Pelo menos 45.000 combatentes do Daesh mortos no Iraque e Síria

Pelo menos 45.000 jihadistas foram mortos no Iraque e na Síria desde que os Estados Unidos da América iniciaram, há dois anos, a operação para combater o Daesh, disse esta quarta-feira um general norte-americano.

"Estimamos que durante os últimos 11 meses tenham morrido cerca de 25.000 combatentes inimigos. Acrescentados aos 20.000 mortos anteriormente, são 45.000 inimigos retirados do campo de batalha", afirmou o tenente-general Sean MacFarland, que comanda a coligação, liderada pelos Estados Unidos da América, contra o grupo extremista.

Sean MacFarland disse que atualmente o Daesh deverá ter uma força entre 15.000 e 30.000 combatentes, mas sublinhou que o grupo extremista está a ter dificuldades em angariar novos elementos para as suas fileiras.

"O número de combatentes na linha da frente diminuiu. Diminuíram não só em quantidade, mas também em qualidade. Não estão a atuar de uma forma tão eficaz como no passado, o que os torna um alvo mais fácil", afirmou o tenente-general, que falava aos jornalistas através de videoconferência em Bagdad.

Lusa

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.