sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

Erdogan diz que Turquia luta contra jihadistas e curdos com "a mesma determinação"

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, assegurou este domingo que Ancara irá combater com a mesma energia o Daesh e os combatentes curdos-sírios.

Erdogan falava num comício na cidade de Gaziantep (sul da Turquia), ao quinto dia da ofensiva turca na Síria que já fez dezenas de mortos.

"Vamos contribuir para retirar o Daesh [acrónimo árabe do grupo "jihadista" Estado Islâmico] da Síria", afirmou.

"Para o Partido da União Democrática Curda (PYD) teremos a mesma determinação", referiu o chefe de Estado turco em Gaziantep, cidade perto da fronteira síria onde ocorreu há uma semana um ataque contra um casamento que provocou 55 mortos.

O governo de Ancara acusa o PYD, a principal milícia curda na Síria, de organizar ataques em território turco em colaboração com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), movimento dos rebeldes separatistas curdos que Ancara qualifica como uma organização terrorista.

"Não vamos aceitar nenhuma atividade terrorista dentro, ou perto, das nossas fronteiras", insistiu o Presidente turco.

Ancara lançou na madrugada de quarta-feira a operação "Escudo do Eufrates" em território sírio que visa simultaneamente o grupo extremista Estado Islâmico e os curdos, quer do Partido da União Democrática Curda (PYD), quer da milícia Unidades de Proteção do Povo (YPG).

Lusa

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.