sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

EUA dizem que ofensiva sobre Mossul começou como previsto

© Azad Lashkari / Reuters

O Pentágono congratulou-se esta segunda-feira por ter decorrido como previsto o primeiro dia da ofensiva para retomar a cidade iraquiana de Mossul ao Daesh, apesar de ser "uma operação difícil, que poderá ser longa".

As forças iraquianas, apoiadas pelos 60 países da coligação internacional contra o EI, iniciaram hoje uma vasta ofensiva para recuperar a segunda maior cidade do Iraque, situada no norte, o último grande bastião do grupo extremista no país.

"Até agora, o primeiro dia decorreu como previsto", disse o porta-voz do Pentágono, Peter Cook, em conferência de imprensa, acrescentando que, "a meio do dia, as forças iraquianas tinham quase atingido o seu objetivo do dia".

De acordo com o porta-voz, os iraquianos vão lançar nas próximas 48 horas sete milhões de folhetos sobre Mossul com conselhos aos habitantes sobre a atitude a adotar para se protegerem dos combates.

"Em alguns casos, pode ser ficar em casa, porque isso pode ser mais seguro do que tentar abandonar a cidade", declarou Peter Cook.

Há cerca de 1,5 milhões de habitantes ainda em Mossul.

A ONU teme uma deslocação maciça da população para fora da cidade e uma crise humanitária com centenas de milhares de refugiados.

Cerca de 30.000 efetivos das forças federais iraquianas -- exército, polícia, unidade contraterrorismo -- estão envolvidos na operação.

Conselheiros militares norte-americanos estão a ajudar as tropas iraquianas, mas o porta-voz do departamento de Defesa dos Estados Unidos não quis precisar quantos deles estarão próximos dos combates ou se haverá soldados norte-americanos a entrar em Mossul, juntamente com as tropas iraquianas.

Mas os militares norte-americanos poderão, em todo o caso, aproximar-se suficientemente das linhas da frente para poderem guiar os ataques aéreos da coligação internacional, indicou.

Encontram-se no Iraque mais de 4.800 soldados norte-americanos, limitados essencialmente a funções de aconselhamento, formação e equipamento do exército iraquiano, bem como funções logísticas.

Após o trauma da guerra no Iraque lançada em 2003 pelo então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, e na qual morreram 3.500 soldados norte-americanos, o Presidente Barack Obama não quis que os militares do país participassem desta vez nos combates terrestres no Iraque.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.