sicnot

Perfil

Daesh

Daesh

Daesh

1.500 jihadistas permanecem entrincheirados no oeste de Mossul

Cerca de 1.500 combatentes iraquianos e estrangeiros do Daesh resistem nas zonas que ainda controlam no oeste da cidade de Mossul (norte), anunciou esta quarta-feira o chefe das forças de Resposta Rápida que operam na área.

Zamer al-Huseini precisou que os 'jihadistas' estão cercados por forças governamentais, que já rejeitaram qualquer hipótese de negociação.

"Ninguém vai sair vivo deste circo", assegurou al-Huseini, que chefia as unidades de elite que constituem a guarda avançada no combate ao Daesh nesta cidade, juntamente com a polícia federal iraquiana.

Os jihadistas estão a opor uma forte resistência e hoje colocaram 30 viaturas armadilhadas no bairro de Al Haramat e nos arredores do bairro 17 Timuz para impedir o avanço das forças inimigas, segundo al-Huseini.

Por seu turno, o comandante da polícia federal, general Raid Shaker Yaudat, disse que as suas unidades continuam a progredir na zona de Al Haramat e estão perto do bairro Al Iqtisadiyin, a norte da cidade velha de Mossul.

Yaudat acrescentou que as forças policiais cercaram os combatentes, que estão entrincheirados na zona antiga de Mossul, um dos últimos redutos do Daesh na cidade.

Por sua vez, Abdelamir Rashid Yarala, chefe das operações do Exército iraquiano na província de Nínive - com capital em Mossul - anunciou em comunicado que as forças iraquianas controlam 37 bairros do oeste de Mossul e mataram "1.321 terroristas" desde o início da ofensiva sobre esta zona da cidade em 19 de fevereiro.

Acrescentou ainda que as tropas também ocuparam 13 edifícios vitais, incluindo a central elétrica de Al Yarmuk, a principal da urbe, e a prisão de Badush.

As forças iraquianas, que desencadearam a ofensiva sobre Mossul no início do outono passado com apoio norte-americano, assumiram o controlo da metade leste da cidade em finais de janeiro, e desencadearam a operação em direção à zona oeste em fevereiro.

Lusa

  • Cinco anos para reerguer Mossul
    1:43

    Mundo

    A reconstrução da cidade iraquiana de Mossul vai levar pelo menos cinco anos. Para além disso, serão necessários muitos milhões de dólares para as obras. Aos poucos, parte da cidade tenta retomar à normalidade, mas a prioridade vai para a segurança e reabastecimentos.

  • Chamas passaram por cima da A23
    1:06

    País

    A A23 esteve cortada ao longo do dia por causa do fumo e das chamas. Em direto para a SIC Notícias, perto das 18h30, os repórteres da SIC presenciaram o momento em que o fogo passou por cima da autoestrada da Beira Interior.

  • "Só numa ditadura é possível tentar esconder o número de vítimas"
    0:51

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O primeiro-ministro diz que é "lamentável" a tentativa de aproveitamento político à volta dos incêndios. António Costa esteve esta quarta-feira à tarde na Autoridade Nacional de Proteção Civil e, no final do briefing, disse que é preciso confiança nas instituições do Estado. O primeiro-ministro deixou ainda muitas críticas à oposição no caso da lista de vítimas de Pedrógão Grande.

  • E os 10 mais ricos de Portugal são...

    Economia

    A família Amorim lidera a lista dos mais ricos do país, com uma fortuna avaliada em 3840 milhões de euros. Em segundo lugar surge Alexandre Soares dos Santos com 2532 milhões de euros. A família Guimarães de Mello ainda entra para o top 3, com um valor de 1471 milhões de euros. A lista foi elaborada pela revista EXAME, que conclui que os ricos estão ainda mais ricos, pela quarta vez consecutiva.

    Bárbara Ferreira