sicnot

Perfil

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Eleições em Espanha

Rajoy quer governar a partir da primeira semana de agosto

O presidente do Governo de gestão espanhol, Mariano Rajoy, está convencido de que o novo executivo pode ser investido na primeira semana de agosto, se houver "ao menos um mínimo de estabilidade" e os partidos atuarem "com certa lealdade".

© Andrea Comas / Reuters

"Eu quero governar e peço que me deixem governar e que não haja um bloqueio", disse hoje Mariano Rajoy, em Madrid, depois de a sua ministra do Fomento, Ana Pastor, ter sido hoje eleita presidente do Congresso dos Deputados na sessão constitutiva desta assembleia, na sequência das eleições de 26 de junho último.

O chefe do Governo garantiu que irá trabalhar para alcançar um entendimento para formar um novo Governo rapidamente, nem que seja apoiado por uma maioria relativa no parlamento.

Para Mariano Rajoy, um impasse que seja novamente solucionado com eleições, pela terceira vez, "seria uma enorme irresponsabilidade".

O líder do PP (Partido Popular, de direita) ainda acredita ser possível que o novo Governo seja investido em 2 de agosto, para que seja votado no Congresso de Deputados a 3 de agosto e, em caso de não conseguir a maioria absoluta, haja uma segunda votação dois dias depois.

As Cortes da XII legislatura espanhola reuniram-se hoje em Madrid em sessão constitutiva que elegeu Ana Pastor (PP) como presidente do Congresso dos Deputados.

A nova presidente do Congresso dos Deputados foi eleita depois de o PP (Partido Popular, de direita) e o Ciudadanos (centro) terem chegado a acordo sobre a repartição de lugares na Mesa, que faz a gestão diária da câmara mais importante do sistema legislativo espanhol, com 350 deputados.

O Ciudadanos é o único partido que, até agora, admitiu abster-se para deixar passar um Governo minoritário, depois das eleições de 26 de junho.

O PP foi o partido mais votado nessas eleições, com 137 deputados, mais 14 que nas legislativas de dezembro, mas longe dos 176 mandatos que dão a maioria absoluta no congresso espanhol.

O PSOE ficou em segundo lugar, com 85 assentos (90 em dezembro), enquanto a aliança de esquerda Unidos Podemos (uma aliança entre partidos de extrema esquerda que inclui o Podemos) ficou em terceiro e elegeu 71 deputados, com o Ciudadanos a conseguir 32 assentos.

O rei de Espanha, Filipe VI, pode a partir de hoje, sem prazo definido, iniciar a ronda de consultas com os partidos para, em seguida, fazer uma proposta de candidato a assumir a presidência do Governo.


Lusa

  • Chuva deixa em alerta 12 distritos do continente

    País

    Doze distritos do continente estão hoje sob aviso amarelo devido à previsão de chuva, que pode ser pontualmente forte e acompanhada por trovoadas e granizo, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.