sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Trump acusa Hillary Clinton de cumplicidade com as infidelidades do marido

O provável candidato republicano às eleições presidenciais norte-americanas Donald Trump lançou, este fim de semana, uma nova polémica, ao acusar a rival democrata Hillary Clinton de ter sido "cúmplice" das infidelidades conjugais do seu marido.

© Chris Tilley / Reuters

A candidata à nomeação presidencial democrata Hillary Clinton é casada com o ex-Presidente dos Estados Unidos Bill Clinton.

Numa entrevista, hoje transmitida pelo canal de televisão norte-americano ABC, o multibilionário justificou que tais afirmações "fazem parte do jogo", a partir do momento em que o casal Clinton aparece junto em ações de campanha pelo país.

"Ela é casada com um homem que foi o pior agressor de mulheres na história da política. Ela é casada com um homem que fez sofrer muitas mulheres", afirmou o empresário.

"E Hillary foi cúmplice e tratou essas mulheres de forma terrível", disse o candidato, prosseguindo que algumas dessas mulheres ficaram devastadas, não pelo comportamento de Bill Clinton, mas pela forma como foram tratadas pela ex-primeira-dama.

O magnata do imobiliário já tinha lançado acusações similares durante um encontro na sexta-feira à noite, no estado de Oregon.

Hillary Clinton "foi uma cúmplice extremamente maliciosa" das ligações extraconjugais de Bill Clinton, referiu, na altura, Donald Trump.

Segundo a imprensa internacional, estas afirmações parecem encaixar numa nova estratégia de Trump para reconquistar o eleitorado feminino, depois de ter feito várias declarações polémicas sobre as mulheres: associar Hillary Clinton a Bill Clinton e apresentar a candidata do Partido Democrata como uma pessoa insensível ao sofrimento das mulheres.

Após uma importante vitória, na terça-feira, no estado do Indiana, e da desistência do senador Ted Cruz e do governador John Kasich, Donald Trump ficou como o único candidato à nomeação republicana para as eleições presidenciais dos Estados Unidos, agendadas para 08 de novembro deste ano.

A convenção nacional do Partido Republicano, que deverá confirmar a indigitação de Trump, realiza-se em julho, em Cleveland, no estado do Ohio.

Perante a provável nomeação de Trump como o candidato republicano à Casa Branca, o multibilionário terá acesso a alguns dos dossiês secretos dos Estados Unidos, como é habitual durante a campanha eleitoral para as eleições gerais.

Mas, tendo em conta o temperamento tempestuoso do candidato que nunca exerceu qualquer cargo político, a situação parece estar a suscitar algumas dúvidas.

A Casa Branca confirmou esta semana que os serviços de informações norte-americanos vão entregar um relatório classificado ao empresário, depois de o Partido Republicano oficializar a sua indigitação na convenção.

Este relatório é entregue desde 1952 aos candidatos presidenciais dos dois principais partidos.

O porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, foi esta semana questionado sobre a eventual preocupação do Presidente Barack Obama, com o facto de Trump ir receber informações classificadas.

"Essas são avaliações que têm de ser feitas pelos serviços de informações, e o Presidente tem plena confiança na capacidade dos nossos profissionais", disse o porta-voz.

O diretor dos serviços de informações dos EUA, James Clapper, afirmou há alguns dias que a administração de Obama pretendia manter a prática de informar os candidatos presidenciais dos dois principais partidos sobre alguns dos assuntos mais secretos do país.

"Já estabelecemos um plano para informar os candidatos quando forem nomeados, e certamente depois de novembro, quando o presidente eleito for conhecido, a informação será mais intensa. Temos uma equipa para fazer isso, e já foi selecionado quem vai liderar o processo, e não foi escolhido a partir de um ponto de vista político", explicou Clapper.

Lusa

  • Traço contínuo às curvas
    2:42
  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • Cristas calcula défice de 3,7% sem "cortes cegos" das cativações
    0:45

    Economia

    Assunção Cristas diz que o défice de 2,1% só foi conseguido porque o Governo fez cortes cegos na despesa pública. Esta manhã, depois de visitar uma unidade de cuidados continuados em Sintra, a presidente do CDS-PP afirmou que, pelas contas do partido, sem cativações, o défice estaria nos 3,7%.

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.