sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Hillary Clinton defende direito das mulheres ao aborto

​A aspirante a candidata democrata à Casa Branca Hillary Clinton colocou a defesa do direito ao aborto no centro da campanha, afirmando que o republicano Donald Trump é um inimigo dos direitos das mulheres.

© Gary Cameron / Reuters

Hillary Clinton falava na sexta-feira, em Washington, em frente à sede política da organização norte-americana Planned Parenthood.

"Quando Donald Trump diz que quer devolver a grandeza à América, é uma linguagem codificada que significa: arrastemos a América para trás, a uma época em que o aborto era ilegal", declarou.

"Ele afirma que as mulheres devem ser punidas em caso de aborto", lembrou Clinton, acrescentando que perante a polémica, Trump, candidato ainda não oficial à Casa Branca, corrigiu as suas declarações.

O milionário chamou às mulheres "porcas, cadelas, animais nojentos, parece difícil contar com ele para respeitar os direitos fundamentais das mulheres quando diz que são um problema para os empregadores", considerou a ex-secretária de Estado.

"Se defender a igualdade salarial, o planeamento familiar e o direito de tomar decisões de saúde é jogar a carta das mulheres... eu jogo a carta", afirmou.

Clinton afirmou-se como garante dos direitos das mulheres, evocando a militância de longa data em defesa da igualdade de género, desde os anos em que foi primeira-dama até às funções que desempenhou como chefe da diplomacia norte-americana, durante o primeiro mandato de Barack Obama.

Este discurso, o primeiro desde que reivindicou a vitória nas primárias democratas contra Bernie Sanders e depois de receber o apoio de Obama, deve-se à excecional impopularidade de Trump junto do eleitorado feminino.

De acordo com uma recente sondagem da Fox News, 64% das mulheres têm uma opinião desfavorável de Trump, contra 49% para Clinton. Metade das mulheres sondadas vai votar em Hillary e 32% no candidato republicano.

Donald Trump está também na defensiva depois de ter atacado, em reuniões públicas e entrevistas, um juiz federal, que considerou imparcial por ter origem mexicana.

Mas o multimilionário tentou corrigir o tiro, ao mesmo tempo que vários líderes republicanos condenaram as afirmações de Trump.

"A liberdade significa que ninguém pode ser julgado pelas suas origens ou pela cor da pele", declarou Donald Trump na sexta-feira, num comício da direita cristã, Faith Freedom Coalition, em Washington.

Lusa

  • Catalunha vs Espanha
    29:35

    Grande Reportagem SIC

    2017 ficará como o ano da Catalunha e de como a região espanhola foi falada em todo o mundo, por causa do grito de independência que não aconteceu. O jornalista Henrique Cymerman esteve na Catalunha e foi um dos únicos repórteres do mundo que conseguiu chegar ao esconderijo do presidente demissionário do Governo catalão, Carles Puigdemont, em Bruxelas.

  • Tiroteio em Espanha causa três mortos

    Mundo

    Um tiroteio na cidade espanhola de Teruel, na região de Aragão, fez esta quinta-feira três mortos, entre os quais dois elementos da Guardia Civil. O atirador está em fuga.

  • As IPSS são estruturantes no país. Fazem o que Estado não faz porque não pode, não quer, ou não chega a tudo. Chama-se sociedade civil a funcionar. E o Estado subsidia, ajuda, (com)participa, apoia. Nada contra. A questão é quando as IPSS e outras instituições, fundações, associações, federações e quejandas se tornam verdadeiras "indústrias".

    Pedro Cruz

  • Os Simpsons já sabiam em 1998 que a Fox iria pertencer à Disney

    Cultura

    Os Simpsons acertaram outra vez. Algo que tem acontecido regularmente nos últimos tempos, com a eleição de Donald Trump, o aparecimento do vírus Ébola ou o escândalo dos Panama Papers. Desta vez, a previsão remonta a 1998, quando a série previu que a 20th Century Fox iria pertencer à Disney.

    SIC