sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Donald Trump foi senhorio de banco iraniano associado a terrorismo

Comício em Washington a 9 de setembro em que Trump prometeu quebrar o acordo com o Irão sobre o programa nuclear.

Carolyn Kaster / AP

O grupo de imobiliário de Donald Trump alugou escritórios em Nova Iorque a um banco iraniano que as autoridades norte-americanas associaram a grupos terroristas e ao programa nuclear iraniano.

A investigação foi feita pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) e pela associação que zela pela transparência na política Center for Public Integrity, organizações sem fins lucrativos e apartidárias com sede em Washington D.C..

Donald Trump herdou o arrendamento feito ao Banco Melli - um dos maiores bancos iranianos sob controlo estatal - quando comprou o edifício General Motors na 5ª Avenida em Nova Iorque. Foi senhorio entre 1998 e 2003.

Em 1999, o Departamento do Tesouro norte-americano declarou que o banco era totalmente controlado pelo Governo iraniano - na altura liderado por Mohammad Khatami.

Mais tarde, as autoridades norte-americanas determinaram que o Banco Melli tinha sido usado para obter informações essenciais sobre o programa nuclear iraniano e que, entre 2002 e 2006, serviu para transferir dinheiro de uma unidade da Guarda Revolucionária do Irão - financiadora de grupos terroristas.

Durante os anos em que Trump foi senhorio do banco iraniano, os Estados Unidos tinham implementado um embargo em que era proibido a qualquer norte-americano fazer negócios com o Irão. E receber rendas estava incluído. No entanto, algumas organizações iranianas estavam fora desta proibição em transações específicas. Poderia ser o caso das rendas do Banco Melli, mas o Departamento do Tesouro não revela as licenças individuais concedidas.

Nem o Departamento do Tesouro, nem a campanha de Trump nem o Banco Melli responderam a qualquer questão colocada pelas associações responsáveis pela investigação.

  • Francês detido em Antuérpia "queria matar"

    Mundo

    O Presidente de França François Hollande afirmou que o francês detido esta quinta-feira por conduzir um automóvel a grande velocidade na principal rua pedonal de Antuérpia, na Bélgica, "queria matar" ou "provocar um acontecimento dramático".

  • Mais de 20 milhões estão a morrer à fome em África

    Mundo

    África enfrenta a maior crise desde 1945, com mais de 20 milhões de pessoas a morrer de fome em três países, Sudão do Sul, Somália e Nigéria, disse esta quinta-feira um responsável do Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas.

  • Menina "rouba" chapéu ao Papa
    0:27
  • Jovem violada em direto no Facebook não se sente em segurança

    Mundo

    A jovem de 15 anos que foi abusada sexualmente por cinco ou seis homens durante um vídeo em direto para o Facebook está a receber tratamento. A mãe da jovem deu uma entrevista, na qual disse que a filha já não se sente em segurança na sua vizinhança, depois de receber ameaças na internet.