sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Candidato republicano à vice-presidência dos Estados Unidos "ofendido" com vídeo de Trump

O candidato republicano à vice-presidência dos Estados Unidos, Mike Pence, declarou-se este sábado "ofendido" com o vídeo de 2005 no qual se ouve o candidato do seu partido à presidência daquele país, Donald Trump, a fazer comentários ofensivos sobre mulheres.

"Como marido e pai senti-me ofendido com as palavras e ações descritas por Donald Trump no vídeo de há 11 anos, divulgado ontem [sexta-feira]", afirmou Mike Pence num comunicado citado pela agência de notícias EFE.

Na nota, Mike Pence diz que não aprova os comentários, não pode defendê-los e agradece "que tenha [Trump] mostrado arrependimento e se tenha desculpado ao povo norte-americano".

"Rezamos pela sua família e aguardamos pela oportunidade que ele tem de mostrar o que guarda no coração, quando se dirigir à nação amanhã [domingo] à noite", afirmou Mike Pence, referindo-se ao segundo debate presidencial entre Trump e a candidata democrata Hillary Clinton.

Também hoje, vários senadores republicanos pediram a Donald Trump para abandonar a corrida presidencial.

"O caráter importa. Donald Trump obviamente não vai ganhar. Mas pode fazer algo honroso. Sair e deixar entrar Pence", afirmou na sua conta oficial do Twitter o senador Ben Sasse, do Nebrasca, aludindo ao governador do Indiana e aspirante republicado à vice-presidência, Mike Pence.

Também no Twitter, o senador republicano Mike Crapo manifestou opinião semelhante: "Não nos equivoquemos. Precisamos de uma liderança na Casa Branca. Isto, Donald Trump a permitir ao Partido Republicano propor um candidato conservador como Mike Pence, que pode derrotar Hillary Clinton". O mesmo senador pelo Idaho condenou as "repetidas ações e comentários sobre mulheres" por parte de Trump.

Pedidos semelhantes foram feitos por Mike Lee, senador pelo Utah, e por Mark Kirk, do Illinois.

Trump já fez entretanto saber que não pretende afastar-se da corrida à Casa Branca, segundo declarações que fez ao The Wall Street Journal, nas quais diz haver "zero hipóteses de desistir".

A nova polémica em torno de Trump surgiu por causa de um vídeo gravado em 2005 e divulgado na sexta-feira pelo jornal The Washington Post em que o empresário fala sobre as mulheres em termos considerados vulgares e machistas.

Entretanto, Trump já disse que o vídeo divulga uma conversa privada com anos e desculpou-se: "se alguém se sentiu ofendido".

"Era uma conversa (...) privada, que teve lugar há anos. [O ex-presidente] Bill Clinton disse-me coisas muito piores num campo de golfe", disse ainda, num breve comunicado.

Lusa

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.