sicnot

Perfil

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Eleições EUA 2016

Melania Trump defende marido e garante que é um cavalheiro

Reuters

Melania Trump, a mulher de Donald Trump, garante que o marido é um "cavalheiro" e que as mulheres que o acusam de agressões sexuais estão a mentir.

Melania acrescentou ainda que as declarações de Trump, gravadas em áudio, sobre as mulheres, são inaceitáveis mas não representam o homem que ela conhece.

O vídeo divulgado dia 7, a um mês das eleições presidenciais, gerou a maior crise da campanha de Donald Trump, tendo dado origem a controvérsia no seio do partido, muitos republicanos pediram o seu afastamento.

“Sabe, sou automaticamente atraído pela beleza – simplesmente começo a beijá-las. É como um iman. Simplesmente beijo. E nem espero… e quando se é famoso elas deixam-nos fazer isso. Você pode fazer qualquer coisa”, afirmou Trump, entre outras coisas.

Desde então, várias mulheres têm acusado Trump de as ter agredido sexualmente - acusações que o magnata nega.

Melania Trump, a mulher do candidato republicano, vem agora defender o marido, garantindo que ao longo dos anos nunca o viu a comportar-se inadequadamente em relação a qualquer mulher.

"Eu sei que ele respeita as mulheres, ele está a defender-se porque isso são mentiras. Acredito no meu marido. O meu marido é gentil e é um cavalheiro e nunca faria isso", declarou Melania numa entrevista à CNN.

A mulher de Trump afirma que o escândalo foi "organizado para ferir a sua candidatura" pela campanha de Hillary Clinton.

  • Roger Moore, o ator que foi 007 e um Santo
    1:26

    Cultura

    Morreu Roger Moore. O ator britânico tinha 89 anos e morreu na Suíça, vítima de cancro. Ficou conhecido pelo mítico papel de James Bond entre os anos 70 e 80, tendo sido o ator que mais tempo se manteve no papel. Em 2003, foi condecorado pela rainha Isabel II e tornou-se Sir Roger Moore.

  • Ucrânia limita utilização do russo na televisão

    Mundo

    O Parlamento da Ucrânia aprovou esta terça-feira uma lei que determina que três quartos dos programas televisivos dos canais nacionais devem ser transmitidos em ucraniano, medida que visa limitar o uso da língua russa naquele país.