sicnot

Perfil

Escândalo Renault

Escândalo Renault

Escândalo Renault

Renault promete "plano técnico" para cortar níveis de emissões dos seus carros

O fabricante de automóveis Renault prometeu hoje apresentar um "plano técnico" nas próximas semanas para cortar as emissões poluentes dos seus veículos.

reuters

Na quinta-feira, uma comissão nomeada pelo Governo francês disse que os carros a gasóleo da Renault falharam nos testes de poluição, ao mesmo tempo que as autoridades fizeram buscas nas suas instalações, aumentando os receios de que a empresa poderia estar envolvida num escândalo de emissões poluentes semelhante ao da alemã Volkswagen.

A comissão revelou que, em resultados de testes realizados em veículos franceses e estrangeiros, tinha encontrado emissões de dióxido de carbono e dióxido de nitrogénio demasiado elevadas em carros da marca Renault.

"Estamos a trabalhar num plano técnico que deverá permitir-nos reduzir as emissões", disse o diretor de vendas da Renault, Thierry Koskas, durante uma apresentação das vendas do grupo.

"O plano está a ser elaborado pela nossa equipa de engenharia e será apresentado nas próximas semanas", acrescentou.

As vendas unitárias da Renault cresceram 3,3% em 2015 relativamente ao ano anterior para 2,8 milhões de unidades em todo o mundo.

"A Renault não fez batota", disse Koskas, referindo-se às questões levantadas na semana passada sobre a forma como os níveis de emissões poderiam ser tão diferentes entre as condições de teste e as condições reais na estrada.

"Quero enfatizar isto com muita firmeza", disse, adiantando que a Renault "não está a usar qualquer 'software' ou outros métodos [fraudulentos] ".

"Em condições de teste, nós respeitamos as normas de emissões", acrescentou.

"Mas quando os veículos já não estão em condições de teste, há, de facto, uma diferença entre as condições reais e condições de controlo, isso é um facto", afirmou Koskas.

O responsável da marca francesa não deu detalhes sobre o que o "plano técnico" pode implicar, mas disse que a Renault iria encontrar-se hoje com a comissão nomeada pelo Governo para "discussões técnicas".

As ações da Renault e de outras empresas do setor automóvel têm derrapado em bolsa com rumores de que o escândalo das emissões poluentes se possa espalhar além da Volkswagen.

Os títulos da Renault caíram mais de 20% durante a sessão de quinta-feira depois de os sindicatos relatarem que as autoridades antifraude francesas tinham invadido vários locais da empresa, possivelmente procurando provas de fraude em emissões dos carros a gasóleo.

Hoje, ao final da manhã, as ações estavam a cair 3% para 72,88 euros, tendo a Renault perdido em capitalização bolsista cerca de três mil milhões de euros nas últimas três sessões.

  • Quando se pode circular pela esquerda? A GNR explica (e fiscaliza)
    5:46

    Edição da Manhã

    A regra aplica-se a autoestradas e outras vias com esse perfil mas dentro das localidades há exceções. A Guarda Nacional Republicana está a promover em todo o território nacional várias ações de sensibilização e fiscalização no sentido de prevenir e reprimir a circulação de veículos pela via do meio ou da esquerda quando não exista tráfego nas vias da direita. O major Paulo Gomes, da GNR, esteve na Edição da Manhã. 

  • Jovens impedidas de embarcar de leggings

    Mundo

    A moda das calças-elásticas-super-justas volta a fazer estragos. Desta vez nos EUA onde duas adolescentes foram impedidas de embarcar num voo da United Airlines devido à indumentária, que não cumpria com as regras dos tripulantes ou acompanhantes da companhia aérea norte-americana.

    Manuela Vicêncio

  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41