sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Patrão da Volskwagen anuncia demissão

O CEO da Volkswagen, Martin Winterkorn, anunciou hoje a sua demissão, na sequência do escândalo da adulteração do sistema de emissões de gases poluentes.

© Kai Pfaffenbach / Reuters

"Estou chocado com os acontecimentos dos últimos dias. Acima de tudo, estou chocado que a má conduta em tal escala foi possível no grupo Volkswagen", afirmou Martin Winterkorn em comunicado.

"A Volkswagen precisa de um novo começo. Eu estou a limpar o caminho para este novo começo com a minha demissão", acrescentou.

Hoje de manhã, os membros do Conselho de Administração da Volkswagen estiveram reunidos, na Alemanha.

A empresa já perdeu mais de um terço do valor em bolsa em apenas dois dias, com quedas de 17% e 20% por cento.

Pelo terceiro dia consecutivo, continua a cair nos mercados financeiros.

Entretanto, já avançou na justiça norte-americana o primeiro processo contra a Volkswagen.

Na terça-feira, a Volkswagen anunciou que mais de 11 milhões de carros a gasóleo em todo o mundo foram equipados com o tipo de motor que poderia distorcer os dados de emissões.

Com Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.