sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Seat Portugal suspende venda de 50 carros com motor EA189

A Seat Portugal decidiu suspender preventivamente a venda dos 50 automóveis que estão em 'stock' com o motor EA189 e que estão a ser analisados pela Volkswagen para averiguar se estão equipados com o 'software' manipulador de emissões poluentes.

© Albert Gea / Reuters

A notícia foi avançada pelo Diário Económico no seu 'site' ao início da tarde, depois de o fabricante automóvel espanhol Seat ter divulgado hoje que a nível global vendeu cerca de 700 mil carros a diesel com o motor EA189 e cumpridor da norma Euro 5, equipados com o 'software' que falsifica os resultados dos testes antipoluição, segundo explicou um porta-voz da marca.

Contactada pela Lusa, fonte da Seat Portugal explicou que a suspensão da venda dos únicos 50 carros em 'stock' com o motor em causa "é uma medida de prevenção até se averiguar esta situação relativamente aos motores".

"O grupo Volkswagen está a avaliar o impacto deste motor no cumprimento das normas europeias", disse a mesma fonte, sublinhando, contudo, "que todos estes motores são seguros, não põem em causa a condução e segurança dos utilizadores".

Por outro lado, explicou que a acontecer uma ação de 'recall' (chamar às oficinas), o grupo contactará todos os seus clientes, através das suas marcas, "assumindo qualquer custo com o processo".

Quanto ao Seat Leon, um dos modelos de maior sucesso da marca, não foi afetado, frisou a mesma fonte.

A Seat Portugal adiantou ainda que "todos os novos automóveis Seat vendidos na União Europeia e equipados com o motor Euro 6 cumprem sem exceção todos os requisitos legais".

A Seat está a apurar em termos globais quantos veículos equipados com o 'software' foram vendidos em Espanha e especificamente de que modelos, segundo afirmou hoje o porta-voz da marca, acrescentando que "os proprietários de veículos com motores EA189 serão chamados" a centros técnicos para fazer as revisões necessárias.

A marca de automóveis, adquirida pela Voskswagen na década de 1980, já tinha afirmado hoje que tinha decidido "suspender temporariamente" as vendas e as entregas de todos os veículos Seat novos com motor a diesel EA189 e lançar uma página de internet para responder às perguntas dos seus clientes.

A Volkswagen admitiu, na semana passada, que 11 milhões de carros a diesel em todo o mundo estão equipados com dispositivos que ativam controlos de poluição durante os testes, mas automaticamente os desligam quando o carro está em condução.

O escândalo manchou o nome da Volkswagen, deixando-a exposta a milhares de milhões de dólares em multas nos Estados Unidos, com investigações desde a Noruega até à Índia, e que desvalorizou a empresa num terço do seu valor em bolsa numa semana.

Na última sexta-feira, após uma maratona de reuniões de crise, o Conselho de Supervisão da líder de mercado mundial de automóveis designou o presidente da Porsche, Matthias Mueller, para substituir Martin Winterkorn como presidente executivo do grupo alemão.

Lusa

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21
  • "Mundo à Vista" no Gana
    7:38