sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Presidente da Volkswagen nos EUA alvo de críticas no Congresso

O presidente do grupo Volkswagen (VW) nos Estados Unidos, Michael Horn, está hoje a enfrentar uma série de críticas do Congresso pela manipulação das emissões poluentes, pois admitiu que meio milhão de veículos continuará a poluir até 2017.

(Arquivo)

(Arquivo)

© David Gray / Reuters

Michael Horn, que esteve duas horas no Comité de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes a responder a questões dos congressistas, foi omisso em relação a numerosas perguntas e reafirmou o desconhecimento prévio tanto da manipulação dos motores turbodiesel da empresa alemã como dos detalhes do 'software ilegal' que oculta as emissões reais dos veículos.

Contudo, o presidente do grupo VW reconheceu que o objetivo do dispositivo manipulador ilegal implantado nos motores a diesel vendidos entre 2008 e 2015 era ocultar à Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) que os automóveis não cumpriam as normas de emissões de óxidos nitrosos.

À pergunta do presidente do Comité, o republicano da Pensilvania Tim Murphy, se a VW instalou o 'software' "com o propósito expresso" de ocultar as emissões, Horn respondeu que "sim", que "foi instalado com esse propósito".

Mas o gestor acrescentou que não teve conhecimento até 01 de setembro deste ano, dois antes de o grupo Volkswagen admitir junto da EPA que os veículos estavam manipulados e 17 dias antes de ter sido tornado público o escândalo.

Até aquele momento, Michael Horn apenas sabia que os veículos não cumpriam as normas de emissões devido a um estudo realizado por investigadores independentes no início de 2014, mas que a casa-mãe na Alemanha o informou que o problema podia ser consertado com a instalação de um novo 'software'.

"Nesse momento, não tinha nenhuma ideia de que era um dispositivo para manipular as emissões e não tinha nenhuma indicação que tivesse sido instalado nos carros VW", explicou.

Durante a audiência, Michael Horn pediu desculpas várias vezes pela sua incapacidade para responder às perguntas específicas dos congressistas, porque a casa-mãe não lhe proporcionou a informação ou porque, segundo disse, não é "um engenheiro".

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.