sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Presidente da Volkswagen nos EUA alvo de críticas no Congresso

O presidente do grupo Volkswagen (VW) nos Estados Unidos, Michael Horn, está hoje a enfrentar uma série de críticas do Congresso pela manipulação das emissões poluentes, pois admitiu que meio milhão de veículos continuará a poluir até 2017.

(Arquivo)

(Arquivo)

© David Gray / Reuters

Michael Horn, que esteve duas horas no Comité de Energia e Comércio da Câmara dos Representantes a responder a questões dos congressistas, foi omisso em relação a numerosas perguntas e reafirmou o desconhecimento prévio tanto da manipulação dos motores turbodiesel da empresa alemã como dos detalhes do 'software ilegal' que oculta as emissões reais dos veículos.

Contudo, o presidente do grupo VW reconheceu que o objetivo do dispositivo manipulador ilegal implantado nos motores a diesel vendidos entre 2008 e 2015 era ocultar à Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) que os automóveis não cumpriam as normas de emissões de óxidos nitrosos.

À pergunta do presidente do Comité, o republicano da Pensilvania Tim Murphy, se a VW instalou o 'software' "com o propósito expresso" de ocultar as emissões, Horn respondeu que "sim", que "foi instalado com esse propósito".

Mas o gestor acrescentou que não teve conhecimento até 01 de setembro deste ano, dois antes de o grupo Volkswagen admitir junto da EPA que os veículos estavam manipulados e 17 dias antes de ter sido tornado público o escândalo.

Até aquele momento, Michael Horn apenas sabia que os veículos não cumpriam as normas de emissões devido a um estudo realizado por investigadores independentes no início de 2014, mas que a casa-mãe na Alemanha o informou que o problema podia ser consertado com a instalação de um novo 'software'.

"Nesse momento, não tinha nenhuma ideia de que era um dispositivo para manipular as emissões e não tinha nenhuma indicação que tivesse sido instalado nos carros VW", explicou.

Durante a audiência, Michael Horn pediu desculpas várias vezes pela sua incapacidade para responder às perguntas específicas dos congressistas, porque a casa-mãe não lhe proporcionou a informação ou porque, segundo disse, não é "um engenheiro".

Lusa

  • As vantagens de comprar online
    8:03
  • Suspeito de homicídio à porta do Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em preventiva
    1:36

    País

    O suspeito de ser o autor dos disparos que mataram um jovem junto à discoteca Luanda foi ouvido em tribunal e ficou em prisão preventiva. Segundo a investigação, tudo terá começado com um mero desacato, ainda dentro da discoteca, onde a vítima e o detido foram filmados a discutir. O homem de 23 anos está indiciado por dois crimes de homicídio, um na forma tentada.

  • Filho de Trump critica mayor de Londres por palavras de 2016

    Ataque em Londres

    Donald Trump Júnior criticou o presidente da Câmara de Londres logo a seguir ao ataque de quarta-feira que fez três mortos e mais de 40 feridos. O filho de Presidente publicou no Twitter uma reação a uma declaração de Sadiq Khan de setembro de 2016. Para o Presidente dos EUA, o ataque em Londres é "uma grande notícia".

  • Marcelo reuniu-se com líderes europeus para falar do futuro da UE
    2:31

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa esteve esta quarta-feira em Bruxelas e participou numa homenagem às vítimas do atentado em Bruxelas, onde colocou uma coroa de flores junto ao monumento.O Presidente da República esteve também reunido com os líderes das principais instituições europeias para falar sobre o futuro da UE.