sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Procuradoria espanhola pede investigação da Audiência Nacional sobre motores Volkswagen

A procuradoria da Audiência Nacional, uma instância judicial especial de Espanha, solicitou a abertura de uma investigação sobre a alegada manipulação dos motores a diesel do grupo Volkswagen com o objetivo de reduzir emissões contaminantes.

Reuters/Arquivo

Reuters/Arquivo

© Axel Schmidt / Reuters

A Audiência Nacional é uma instância com jurisdição em todo o território espanhol, encarregada de investigar e julgar casos complexos, como o crime económico e financeiro, terrorismo ou corrupção.

Neste caso, a procuradoria adstrita àquela instância considera que o grupo automóvel alemão, que produz veículos da sua marca em território espanhol, poderá ter cometido um crime de fraude por publicidade enganosa, fraude devido à subsidiação recebida (entre outros, do Estado espanhol) e delitos ambientais.

A investigação solicitada pela procuradoria da Audiência Nacional soma-se a outras queixas interpostas por associações como a Manos Limpias (Mãos Limpas), a associação Defensor do Paciente e um coletivo de cidadãos afetados pelos motores manipulados.

O Ministério Público explicou que a manipulação dos motores "parece ter consistido na instalação de um programa informático que detetava" o momento em que os carros estariam a ser submetidos a testes, pelo que o veículo "reduzia as suas emissões contaminantes para valores abaixo da normativa ambiental".

A procuradoria afirma ainda que, para poder apresentar um motor que aparentasse consumir pouco combustível, mantendo ao mesmo tempo elevada potência e sem libertar gases contaminantes, a Volkswagen introduziu esse 'software' para detetar precisamente o momento em que os carros seriam testados.

Também recorda que o grupo Volkswagen "emitiu vários comunicados de imprensa através dos quais reconhece os factos e a adoção de medidas imediatas para solucionar o problema".

Caso se comprove a informação sobre os motores diesel da Volkswagen, acrescenta o procurador, "os veículos afetados, em condições normais de funcionamento, estão a emitir gases contaminantes muito acima dos limites permitidos (que poderiam chegar a 40 vezes o máximo)", pelo que deveriam ser impedidos de circular, o que traria prejuízo para os seus proprietários.

A acusação pública solicita ao juiz que inicie uma série de diligências: um pedido ao Ministério da Indústria de Espanha para que remeta "toda a informação reunida até ao momento sobre estes factos", incluindo a resolução da Agência Ambiental dos Estados Unidos (EPA), assim como os relatórios recebidos da própria Volkswagen sobre o escândalo dos motores.

O procurador Marcelo de Azcárraga também pede que o fabricante alemão envie "uma relação com todos os veículos afetados que tenham sido vendidos em Espanha", o organograma da empresa em Espanha e que identifique a empresa a quem foi pedido o fabrico do 'software' que permitiu a fraude.

No domingo as autoridades policiais francesas fizeram um raide à sede do grupo Volkswagen em França para investigar o escândalo das emissões poluentes.

Os investigadores procuraram na sede do grupo, localizada em Villers-Cotterets, no norte do país, bem como nos escritórios perto de Paris, documentos e computadores que pudessem estar ligados aos motores fraudulentos.

Cerca de um milhão de carros a gasóleo foram vendidos pelas marcas do grupo Volkswagen (VW, Audi, Skoda e Seat) em França equipados com o dispositivo de manipulação de emissões poluentes.

Lusa

  • Aeroporto Cristiano Ronaldo? Nem todos os madeirenses estão de acordo
    2:21
  • Fatura da água a dobrar
    2:26

    Economia

    Desde o início do ano que a população de Celorico de Basto está a receber duas faturas da água para pagar. Tanto a Câmara como a Águas do Norte reclamam o direito a cobrar pelo serviço. Contactada pela SIC, a Entidade Reguladora esclarece que o município não pode emitir faturas e tem de devolver o dinheiro.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43

    Daesh

    Há suspeitas de que o Daesh tenha criado uma vala comum com cerca de seis mil corpos a sul de Mossul, no Iraque. A área em redor estará minada. A revelação é de uma equipa de reportagem da televisão britânica Sky News.

  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.