sicnot

Perfil

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volskwagen

Escândalo Volkswagen

Vendas da Volkswagen recuam 3,5% em outubro

As vendas do grupo Volkswagen recuaram 3,5% em outubro, um número divulgado hoje e que reflete os primeiros efeitos do escândalo da manipulação de emissões poluentes e também a conjuntura difícil em vários mercados.

© Suzanne Plunkett / Reuters

O grupo, que reúne 12 marcas, vendeu 831.300 viaturas no mês passado, 3,5% menos do que em outubro de 2014, segundo um comunicado.

A Volkswagen (VW), a marca mais importante em volume, registou um recuo de 5,3% em outubro, ficando em 490 mil.

"A marca VW vive tempos difíceis", reconheceu em comunicado Jürgen Stackmann, membro da administração da filial.

"De um lado enfrentamos os problemas do diesel e do CO2 [emissões poluentes], do outro há a situação tensa nos mercados mundiais", apontou.

O Brasil e a Rússia são dois pontos negros para o grupo devido à crise económica.

Na Europa Ocidental, as vendas da VW registaram um recuo de 1,3%, depois de serem retirados vários modelos afetados pelo escândalo dos motores a diesel com um dispositivo para manipular as emissões poluentes. A nível do grupo, o recuo foi de 1,2% nesta região.

Entre janeiro e outubro, o grupo vendeu 8,26 milhões de veículos no mundo, menos 1,7% do que no mesmo período do ano passado.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.