sicnot

Perfil

Euro 2016

Euro 2016

Euro 2016

França vai mobilizar mais de 60 mil polícias para o Euro2016

A França vai mobilizar mais de 60.000 polícias na segurança do Europeu de futebol e "fazer todo o possível para evitar ataques terroristas", disse hoje o ministro gaulês do Interior.

© Stephane Mahe / Reuters

As afirmações de Bernard Cazeneuve surgem poucos dias depois de se terem verificado incidentes na final da Taça de França, disputada no Stade de France, que será palco dos encontros de abertura e da final do Euro2016.

Em declarações ao jornal L'Equipe, Bernard Cazeneuve afirmou que a final, que opôs o Paris Saint-Germain ao Marselha, "não serviu de teste para o Euro".

Apesar de admitir diferenças de organização entre a final da Taça e os jogos do Euro, o ministro considerou que o que aconteceu na final de sábado "deve ser tido em conta".

"O nosso objetivo é que o Euro seja uma grande festa", disse Cazeneuve, admitindo que "0% de precaução significa 100% de risco, mas 100% de risco não significa 0% de precaução".

No sábado, durante a final, que o Paris Saint-Germain venceu por 3-2, foram arremessados vários objetos e engenhos pirotécnicos para o relvado.

Na segunda-feira, o chefe da polícia de Seine Saint-Denis admitiu falhas de segurança na final da Taça de França de futebol e prometeu reavaliar métodos para o Euro, entre 10 de junho e 10 de julho.

Em novembro, as imediações do Stade de France, onde decorria um jogo entre as seleções da França e da Alemanha, foram um dos palcos dos atentados suicidas levados a cabo em Paris e entretanto reivindicados pelo grupo radical sunita Estado Islâmico.

O ministro Bernard Cazeneuve afirmou que as 'fan zone' "serão espaços seguros", acrescentando: "tomei a decisão de impor controlos de segurança nas entradas e utilizar detetores de metais."

Cazeneuve assegurou que não existe qualquer ameaça concreta em relação ao torneio, que contará com a presença de 24 seleções, entre as quais a portuguesa.


Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC