sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Polícia belga centra atenções no bairro de Schaerbeek

Polícia belga centra atenções no bairro de Schaerbeek

Bruxelas viveu em estado de sítio durante a noite com as operações policiais em curso, depois dos atentados de ontem no metro e no aeroporto, que fizeram 34 mortos e 200 feridos. Foi no bairro de Schaerbeek que se concentram as atenções da polícia belga, depois de ter sido descoberto um engenho explosivo, semelhante aos utilizados no metro, com pregos e parafusos no interior. Foram encontrados ainda produtos químicos e uma bandeira do Daesh.

Na mira do helicóptero das autoridades belgas está o bairro de Scharbeek onde as buscas e suspeitas não são de agora, mas por aqui já tinham passado aquando dos atentados de Paris.

A zona a seguir à gare do norte da capital belga, estação de comboio que liga diretamente ao aeroporto fica também na linha da estação de metro de Maelbeek, a norte deste bairro alvo da ação terrorista desta terça-feira.

A polícia tem razões para concentrar os esforços nas ruas desta área, num raio de cinco quilómetros, para onde envia um batalhão de meios de unidades de intervenção especial brigadas anti-terrorismo e da polícia científica.

Numa das rusgas, num apartamento foram encontrados produtos químicos um engenho explosivo e uma bandeira do Daesh.

A polícia belga procura um homem, o terceiro suspeito que liga ao atentado no aeroporto como o bombista que fugiu.

Para a praça Marie-Louise, à saída do metro de Maalbeek, há dezenas de polícias, depois de uma testemunha ter denunciado a presença de um automóvel, com a chave na ignição e o motor a trabalhar.

Há estradas cortadas e a cada esquina é visível o forte dispositivo na caça ao homem em Schaerbeek

O Ministério Público adiantou que há investigações a decorrer noutras partes da Bélgica.

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • À redescoberta da Madeira, 16 anos depois
    1:59
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.

  • Samsung vai vender modelos reparados do Galaxy Note 7

    Economia

    A Samsung Electronics anunciou hoje que vai vender e alugar telemóveis reparados do modelo Galaxy Note 7 depois de no ano passado a empresa ter decidido suspender a respetiva produção devido a incêndios nas baterrias de íon-lítio.

  • Acidentes em falésias matam 94 pescadores lúdicos

    País

    Mais de 90 pescadores lúdicos morreram nos últimos 19 anos e 137 ficaram feridos em 252 acidentes registados em zona rochosa ou em falésia, a maioria na zona de Lagos, Faro, segundo dados da Autoridade Marítima Nacional.