sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas - 1 ano

Atentados em Bruxelas

Bruxelas tenta regressar à normalidade

As filas de trânsito voltaram hoje à rua de Loi, que se estende por quase dois quilómetros e alberga instituições europeias e uma das portas da estação de metro de Maelbeek, um dos alvos dos terroristas em Bruxelas.

© Charles Platiau / Reuters

A hora de ponta de hoje da capital belga e europeia está apenas a meio gás, mas porque as férias da Páscoa já vigoram entre os funcionários das instituições. O mais visível nos edifícios fechados são os cartazes a informar do alerta laranja, elevado depois dos ataques de há dois dias.

Junto da tal porta do metro de Maelbeek instalaram-se, pelas 9:00 locais, poucas equipas de televisão para terem como cenário de fundo a porta encerrada e a placa que indica o nome da estação.

No chão há ramos de flores e velas, lembrando as dezenas de vítimas, que permanecem acesas porque foram encostadas a uma coluna de pedra para ficarem protegidas do vento, que sopra à temperatura de 6º graus.

Outras recordações das tragédias causadas pelas explosões no aeroporto de Bruxelas e no metro estão nas fachadas dos edifícios, com as bandeiras azuis, com as 12 estrelas douradas, a meia haste, e nos poucos pedaços de fitas retirados dos perímetros de segurança e esquecidos no chão.

Num outro acesso à estação de metro, localizada na estrada de Etterbeck, tapumes com a referência "polícia", escrita nas duas línguas utilizadas na Bélgica o francês e flamengo, vedam a entrada, ladeada por placas de vidro partido que serviam de portas até terça-feira de manhã.

De portões já abertos, as grades do pequeno jardim em frente servem de memorial, mais uma vez construídos com flores, velas, também peluches e pequenos pedaços de papel.

Em francês, num desses papéis foi escrito a cor-de-rosa: "O amor é mais forte que o ódio. Pensem nas vítimas e nos seus próximos".

Também há apelos de "não ao terror" e numa mistura de línguas, como é a cidade de Bruxelas, lê-se numa outra nota: "Sera que les inocentes devem morrir pour case de religião".

A cidade de Bruxelas, capital da Bélgica e sede da União Europeia e da NATO, foi abalada por dois atentados na terça-feira, com duas explosões no aeroporto de Zaventem e uma na estação de metropolitano de Maelbeek, que provocaram pelos menos 32 mortos e 300 feridos, de acordo com o último balanço, que revê em baixa o número de mortos anteriormente avançado.

Os atentados foram reivindicados pelo grupo extremista Daesh num comunicado em que ameaçou os países que combatem os jihadistas com ataques "mais duros e mais amargos".

Com Lusa

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50

    País

    A água é um recurso essencial para todos os organismos vivos, comunidades e atividades económicas. Num país com situações de secas recorrentes, que tendem a ser agravadas pelas alterações climáticas, o que aprendemos com anteriores episódios de escassez de água? Como usar a água para que não falte no futuro? "Água Sob Pressão" foi o tema desta Grande Reportagem, de Carla Castelo (jornalista), Manuel Ferreira (Imagem), Gonçalo Freitas (Edição de imagem), Paulo Alves (Grafismo) e Isabel Mendonça (Produção), exibida na SIC em julho de 2012 (que também foi um ano de seca, ainda que menos grave do que a atual).

  • Jorge Jesus e Ana Malhoa contra o consumo de sal
    1:21
  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15