sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Segundo envolvido no atentado no metro de Bruxelas

Em desenvolvimento

As autoridades suspeitam que houve um segundo homem no ataque suicida no metro em Bruxelas, de terça-feira. A televisão belga RTBF e o francês Le Monde avançam que esse suspeito foi visto em imagens de videovigilância da estação de Maelbeek com um grande saco, ao lado de Khalid El Bakraoui, um dos bombistas suicidas já identificado.

© POOL New / Reuters

Última atualização às 9:13

A identidade deste possível segundo é ainda desconhecida. Também não se sabe se morreu no ataque ou se escapou.

É mais uma pista seguida pelas autoridades belgas, que procuram ainda um suspeito do ataque ao aeroporto que está a monte, o homem de chapéu na fotografia divulgada pela polícia.

Até ao momento há dois homens-bomba identificados oficialmente: os irmãos El-Bakraoui, Khalid, que se fez explodir no metro, e Ibrahim, que participou no ataque no aeroporto de Zaventem. Aqui terá morrido também Najim Laachraoui, segundo fontes oficiais citadas por vários órgãos de comunicação.

Pelo menos 31 pessoas morreram nas duas explosões no aeroporto de Zaventem e na estação de metropolitano de Maelbeek, em pleno "bairro europeu".

O número de feridos foi revisto na quarta-feira para 300, incluindo pelo menos 21 pessoas com passaporte português.

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.