sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Autoridades detiveram quatro pessoas em treze operações antiterrorismo

As autoridades belgas detiveram hoje quatro pessoas e mais cinco foram libertadas depois de interrogatórios, no seguimento de treze operações antiterrorismo em várias cidades da Bélgica, que surgem cinco dias depois dos atentados em Bruxelas.

Alastair Grant

"Um total de nove pessoas foram levadas para serem entrevistadas, mas cinco foram libertadas", disse o promotor público que investiga os atentados, em comunicado, sem especificar se estas detenções estão relacionadas com os atentados terroristas da semana passada.

"O investigador vai decidir até ao final do dia" se as pessoas que ficaram detidas vão ou não ficar em prisão preventiva, acrescenta o comunicado hoje divulgado.

Quatro dos 'raides' antiterroristas foram realizados esta manhã em Mechelen e Duffel, duas cidades na região da Flandres, no norte do país, e os outros oito foram realizados em vários distritos de Bruxelas.

As três explosões registadas na terça-feira em Bruxelas - duas no aeroporto internacional de Zaventem e uma na estação de metro de Maelbeek, junto às instituições europeias, no centro da capital belga -- fizeram pelo menos 31 mortos (três dos quais bombistas suicidas) e cerca de 340 feridos, segundo o último balanço.

Os ataques foram reivindicados pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Lusa

  • Braga perde com Shakhtar e fica fora dos 16 avos de final da Liga Europa
    3:16
  • Ronaldo não está preocupado com repercussões de eventual fuga fiscal
    1:30

    Football Leaks

    Cristiano Ronaldo diz que quem não deve não teme. O avançado português não se mostra preocupado com as notícias que revelam que o jogador não terá declarado os rendimentos da publicidade ao fisco espanhol. Fontes do Ministério das Finanças do país vizinho confirmaram ao jornal El Mundo que o português está a ser investigado há ano e meio.

  • Dissolução da União Soviética aconteceu há 25 anos

    Mundo

    Assinalam-se esta quinta-feira 25 anos desde o fim do acordo que sustentava a União Soviética. A crise começou em 80, mas aprofundou-se nos anos 90 com a ascensão de movimentos nacionalistas em praticamente todas as repúblicas soviéticas.