sicnot

Perfil

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

Atentados em Bruxelas

TAP com apenas uma ligação aérea diária à Bélgica

A TAP tem apenas uma ligação aérea diária com a Bélgica desde terça-feira, tendo cancelado 22 voos devido aos atentados na capital belga, que causaram 35 mortos e mais de 340 feridos, avançou hoje a companhia.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Paulo Whitaker / Reuters

Segundo adiantou à Lusa António Monteiro, porta-voz da TAP - Air Portugal, "dos 28 voos que deveriam ter sido efetuados desde terça-feira passada, foram cancelados 22 e apenas seis foram realizados".

O porta-voz explicou também que desde o primeiro voo, no próprio dia dos atentados, 22 de março, que seguiu para o Luxemburgo, os voos de ligação a Bruxelas têm sido realizados para outras cidades belgas, nomeadamente para Liége e Oostende, sendo depois os passageiros transportados por via rodoviária para a capital.

"Nos últimos dias, há apenas um voo diário que opera entre Lisboa e Oostende, que parte pelas 14:15 locais", adiantou.

Segundo o mesmo responsável, até ao momento, a procura para os voos com destino à Bélgica tem sido a suficiente para encaixar no único voo a operar diariamente pela companhia aérea portuguesa.

António Monteiro adiantou que os passageiros com bilhetes comprados podem adiar a viagem para uma data da sua conveniência ou então receber o dinheiro da passagem.

Na passada terça-feira, duas explosões no aeroporto e uma na estação de metro de Maelbeek mataram, pelo menos 35 pessoas, das quais 28 já foram identificadas, segundo o mais recente balanço.

Os três bombistas suicidas, dois no aeroporto e um no metro, não entram na contagem do número de vítimas mortais.

"Algumas vítimas que acabaram por morrer em diferentes hospitais não estão ainda incluídas nos números mais recentes", informou domingo o Centro de Crise da Bélgica.

Nos atentados de Bruxelas ficaram feridas 340 pessoas de 19 países. Destas, 101 continuavam hoje internadas, 662 delas nos Cuidados Intensivos e metade com queimaduras graves.

Os responsáveis que falavam no centro de crise belga indicaram que 31 vítimas morreram no aeroporto e no metro da capital belga e quatro sucumbiram posteriormente aos ferimentos no hospital.

O balanço anterior era de 31 mortos.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.