Festivais 2018

"A Revenge of The 90's não é uma festa, é uma experiência"

Entrevista

Soraia Pires

Jornalista

André Henriques e Paulo Silver estiveram à conversa com a SIC sobre o projeto "Revenge of The 90's". A festa mais privada de Lisboa ultrapassou barreiras geográficas e tem cada vez mais fãs. Esta sexta-feira estreiam-se no Rock in Rio Lisboa.

Porquê "Revenge of the 90's" e não de 80's ou 70's?

André Henriques: Verdade seja dita, nós somos 90's kids. A nossa adolescência, quer a minha quer a do Paulo, quer a grande parte da equipa que compõe o Revenge of The 90's, efetivamente foi vivida nos anos 90. A nossa musicalidade, a nossa formação, a nossa forma de estar foi moldada nessa altura e para recordar só poderíamos recordar isso porque foram boas memórias.

Paulo Silver: Os 80's foram mais dos nossos pais e das gerações passadas que já tiveram a sua época dourada. Não vamos esquecer as festas da M80 que eram um sucesso gigante e continuam a ser um sucesso gigantesco mas para outro público. Depois vem o Revenge of The 90's. A Revenge of the 90's não é uma festa, é uma experiência. Antes de começarem os eventos nós dizemos às pessoas que é uma experiência e não uma festa.

"Não é uma festa, é uma experiência" - Paulo Silver

Dizem que a Revenge of The 90's é uma experiência, porquê?

PS: Porque é mesmo uma experiência. Desde o segundo em que decides ir à festa, teres de descobrir alguém que venda bilhetes porque não consegues comprar online - quase como aquela coisa do RP - uma coisa muito anos 90, até conseguires comprar o bilhete, que é muito difícil porque esgotam sempre muito rápido. O bilhete é uma disquete, não é um bilhete normal - é uma experiência. Não sabes onde é que é, porque é uma localização secreta, só vais saber no dia às 10h da manhã por SMS, não é por internets nem e-mails, é SMS - anos 90, é uma experiência. Chegas à porta, és recebida com doces dos anos 90 - é uma experiência. Entras lá dentro e está um DJ a tocar música calminha e tens arcades e flippers e todas estas coisas dos anos 90, - mais uma experiência. E depois podes ligar para o DJ e pedir a música que queres ouvir como se fazia no "Agora Escolha" - mais uma experiência.

AH: Há quanto tempo é que não danças ao som de uma banda dentro de um clube? É uma experiência.

PS: A nossa banda Santa Manel que está lá ao vivo. E depois fazes uma viagem cheia daquelas músicas, com bailarinos, com vídeos, com brindes, com pega monstros, com jelly shots, com coisas que já nem ouvias falar há mil anos - é uma experiência. Por isso é que é uma experiência, porque tudo o que está a acontecer mexe com todos os teus sentidos: audição, olfato...

AH: E não é de todo um disc jockey numa cabine com um MC, é todo um espetáculo. E por aí é muito mais que uma própria festa, é uma experiência.

Estavam à espera que o Revenge of The 90's tivesse o impacto que tem hoje?

AH: Não, de todo. Obviamente que nos lançámos para o primeiro evento com 500 pessoas, que hoje são 30 ou 35 mil, com uma vontade de fazer alguma coisa importante e uma festa dos 90 com sucesso. Se tínhamos noção do escalar com estas proporções? Não. Se todos os dias acordamos e percebemos que estamos a viver um sonho? Sim. Se tentamos lidar com ele da melhor forma possível? Sim. Às vezes é difícil assimilar tanta coisa boa que nos vai acontecendo.

PS: A equipa é muito maior do que nós e agora temos de cuidar muito bem deste bebé que é para ele crescer e ser um menino muito saudável daqui a uns anos.

E como é que vos surgiu a ideia do "Cai os Homens"?

AH: Basicamente, viemos cá fazer uma visita técnica, vimos a piscina e automaticamente surgiu-nos logo a ideia.

PS: Ainda por cima, estávamos com um dos nossos sócios, que é um digno representante da comunidade masculina, que faz o video de promoção ao "Cai os Homens" e ele disse logo que queria participar e queria fazer de Ulisses, mas nós fomos buscar o original. Está cá o José Figueiras, está cá a Mónica, que era umas das meninas que atirava as pessoas para a piscina. O nosso júri vai ser composto por três pessoas muito especiais: Joana Latino, Joana Cruz e Roberta Medina. Portanto, vai ser uma digna reenactment do mítico programa "Ai os Homens".

Então e esta experiência do "Revenge of the 90's" desta noite vai contar com mais algumas novidades?

AH: A maior novidade é claramente olharem para o palco e perceberem que estamos a apresentar uma temática completamente nova.

PS: Um show novo e depois vai haver surpresas que não podemos dizer. Mas vamos ter artistas que nunca tínhamos tido: Ena Pá 2000, Crazy Town. Depois vamos ter "surpresinhas" que não vos podemos contar e depois vamos ter a temática nova e o show novo, que vimos hoje apresentar no Rock in Rio.

AH: Welcome to the jungle!

Veja aqui a entrevista.

  • "Bebemos a água que escorria das rochas"

    Mundo

    Os 12 rapazes e o treinador que ficaram presos numa gruta na Tailândia durante 18 dias revelaram hoje alguns pormenores de como sobreviveram, na primeira conferência de imprensa.

  • Ora Eça!

    Opinião

    Eça, o meu conterrâneo que se definia como sendo "apenas um pobre homem da Póvoa de Varzim" não haveria de gostar de nada que fosse obrigatório. Durante décadas, Os Maias lá estiveram, quem sabe numa progressista lista pós-revolução, dada a natureza "sexual e incestuosa" da obra. Sai dessa lista agora. Claro que sai. "Ninguém" gostava de "ter de" ler Os Maias.

    Pedro Cruz

  • "Os Maias" deixam de ser leitura obrigatória no secundário

    País

    Obras como "Os Maias" e "A Ilustre Casa de Ramires", de Eça de Queirós, vão deixar de ser de leitura obrigatória no ensino secundário a partir do próximo ano letivo. Os alunos deixam de ter indicação de uma obra específica para ler, passando o professor a escolher livremente uma obra de cada autor. O objetivo é fazer face aos programas extensos.

  • Marcelo assinala "passos importantes" na Cimeira da CPLP
    2:16