sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Zico garante que vai avançar com candidatura à presidência da FIFA

Zico, uma das maiores figuras do futebol brasileiro, confirmou na quarta-feira a intenção de se candidatar à presidência da FIFA, numa entrevista à edição eletrónica do jornal O Globo.

Felipe Dana

"Vou candidatar-me. Agora temos de esperar como as coisas vão acontecer [processo eleitoral]", disse Zico, salientando os apoios que recebeu depois de, numa mensagem na rede social facebook, ter lançado a ideia de tentar suceder ao suíço Joseph Blatter, que se demitiu na terça-feira.

Acreditando que haverá "uma nova mentalidade" após a saída de Blatter, o selecionador do Japão diz, contudo, não contar com o apoio da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

"Vamos esperar pelas regras do jogo para saber o que necessito fazer, mas quero mostrar às pessoas o que posso oferecer. Se só puder mandar cartas, porque os recursos só dão para isso, então fá-lo-ei. Até posso fazer [campanha eleitoral] por mensagens do watsapp", disse.

O ex-futebolista lembrou a sua experiência dentro do campo, mas também como ministro do Desporto no governo de Fernando Collor de Mello (1990-1992) e como dirigente no Brasil e no Japão.

Sobre a possibilidade de enfrentar o amigo Michel Platini, presidente da UEFA, Zico disse que ainda não falou com o francês, mas não descartou enfrentá-lo, nem uma possível aliança.

Joseph Blatter demitiu-se na terça-feira da presidência da FIFA, na sequência do escândalo de corrupção que abala o organismo máximo do futebol, e anunciou a marcação de um congresso extraordinário para eleição de um sucessor.

O suíço anunciou a sua saída apenas quatro dias após a sua reeleição para um quinto mandato na presidência da FIFA, que aconteceu já depois da detenção de sete dirigentes do organismo.

O dirigente, de 79 anos de idade, que ocupava o cargo desde 1998, afirmou que não também se vai recandidatar ao lugar.

Lusa
  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".