sicnot

Perfil

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Corrupção na FIFA

Blatter mantém-se em funções enquanto colabora com as autoridades suíças

Joseph Blatter, presidente demissionário da FIFA, vai manter-se em funções enquanto colabora com as autoridades suíças que investigam o escândalo de corrupção que atingiu o organismo que rege o futebol mundial, informam hoje os seus advogados.

Tsafrir Abayov

"O presidente Blatter dirigiu-se hoje aos funcionários da FIFA e disse-lhes que iria continuar a colaborar com as autoridades, que nada fez de inapropriado ou ilegal e afirmou que iria manter-se como presidente da FIFA", indica o comunicado divulgado pelos advogados de Blatter.

Blatter esclareceu também que o pagamento de dois milhões de francos suíços (cerca de 1,8 milhões de euros) feito ao francês Michel Platini, considerado "ilegal" pela investigação, foi "uma compensação válida" por trabalho prestado pelo atual presidente da UEFA.

"O presidente Blatter partilhou hoje com as autoridades suíças que o senhor Platini mantinha uma valiosa relação laboral com a FIFA, funcionando como conselheiro do presidente desde 1998", assinala o comunicado.

O Ministério Público suíço instaurou na sexta-feira um processo criminal contra Blatter e implicou Platini no escândalo de corrupção que está a abalar o organismo que tutela o futebol mundial.

A Procuradoria helvética esclareceu que "Blatter foi interrogado na qualidade de arguido" e que instaurou um processo criminal contra o presidente demissionário da FIFA "por suspeita de gestão danosa, desvio de fundos e abuso de confiança".

Neste processo foi também envolvido Platini, candidato à sucessão de Blatter nas eleições de fevereiro na FIFA, que foi ouvido na qualidade de testemunha por, alegadamente, ter recebido do suíço um "pagamento ilegal" de dois milhões de francos suíços (cerca de 1,8 milhões de euros).

O Procurador-geral suíço indicou que o pagamento ao líder da UEFA foi efetuado em fevereiro de 2011, "em prejuízo da FIFA", por "trabalho alegadamente desempenhado entre janeiro de 1999 e junho de 2002".

A FIFA foi abalada por um escândalo de corrupção em maio, a dois dias da reeleição de Blatter, num processo aberto pela justiça dos Estados Unidos e que levou a acusações a 14 dirigentes e ex-dirigentes.

No início de junho, Blatter apresentou a demissão, abrindo o caminho para novas eleições, marcadas para 26 de fevereiro.

Além de Platini, são também candidatos à presidência da FIFA o príncipe jordano Ali bin Al Hussein, antigo vice-presidente da FIFA, o sul-coreano Chung Mong-Joon, também antigo vice-presidente da FIFA, e o ex-futebolista brasileiro Zico.

Lusa

  • Marcelo condecora hoje Francisco Sá Carneiro a título póstumo
    0:55

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa vai condecorar hoje Francisco Sá Carneiro, a título póstumo. A cerimónia será incluída nas celebrações do 25 de Abril. Também a título póstumo, o Presidente da República vai ainda homenagear o antigo bispo do Porto D. António Ferreira Gomes. As condecorações têm lugar esta tarde no Palácio de Belém para onde já estava marcada a condecoração do arquiteto Siza Vieira. Todos, diz Marcelo, são figuras ligadas à liberdade e democracia.

  • A fuga dos PIDES
    20:08
  • Desconhecem-se as causas do incêndio na fábrica da Tratolixo
    0:43

    País

    Os moradores de Trajouce, em São Domingos de Rana, não ganharam para o susto com um incêndio nas instalações da empresa de resíduos Tratolixo.O alerta foi dado por populares e trabalhadores da empresa. O vento foi o maior problema dos bombeiros no combate às chamas durante a noite. No local estiveram 133 homens, apoiados por 51 viaturas.Desconhecem-se para já as causas do incêndio. O incêndio foi circunscrito de madrugada, mas pode demorar algumas horas a ser dominado.

  • Duas execução no mesmo dia pela primeira vez em 17 anos nos EUA

    Mundo

    O estado norte-americano do Arkansas (sul) executou, na noite de segunda-feira, dois condenados à morte, o que sucede pela primeira vez em 17 anos no país, anunciou a procuradora-geral daquele estado. Jack Jones e Marcel Williams, condenados separadamente na década de 1990 à pena capital por violação e assassínio, receberam uma injeção letal depois de diferentes tribunais terem rejeitado os respetivos recursos, afirmou Leslie Rutledge, em comunicado.